170 agências fechadas no primeiro dia de greve no Espírito Santo

Nesta quinta-feira, 19, primeiro dia da greve nacional dos bancários, 170 agências do Espírito Santo amanheceram fechadas, sendo 124 da Grande Vitória e 46 do interior. Na região metropolitana, 34 agências e sete departamentos da Caixa aderiram à paralisação, o que representa um percentual de 97,14% das unidades. No Banco do Brasil, foram 33 agências […]

Nesta quinta-feira, 19, primeiro dia da greve nacional dos bancários, 170 agências do Espírito Santo amanheceram fechadas, sendo 124 da Grande Vitória e 46 do interior.

Na região metropolitana, 34 agências e sete departamentos da Caixa aderiram à paralisação, o que representa um percentual de 97,14% das unidades. No Banco do Brasil, foram 33 agências paralisadas, além do prédio da Pio XII, onde funcionam 3 agências e vários departamentos do banco. Foram fechadas ainda 36 das 58 agências do Banestes, além do prédio do Bandes, no centro da Capital.

 Em relação aos Bancos privados, aderiram à greve 6 agências do Santander, 4 do Bradesco, 7 do Itaú, 3 do HSBC e uma do Banco Mercantil do Brasil.

Interior

No interior do Estado, foram paralisadas 22 agências da Caixa, 4 do Banestes, 15 do Banco do Brasil e 5 entre os bancos privados.

Cachoeiro de Itapemirim, no Sul do Estado, foi uma das cidades em que o movimento paredista teve maior adesão. No início da manhã, os bancários se reuniram na Praça Jerônimo Monteiro e depois percorreram as agências do Centro. Foram fechadas todas as unidades dos bancos públicos, além dos bancos Itaú, HSBC, Santander e Bradesco.

“Fizemos um início de greve emocionante. A agência do Bradesco, por exemplo, há anos não aderia ao movimento paredista, o que prova o quão grande é a insatisfação dos bancários. Agora precisamos ampliar a nossa mobilização para as demais regiões”, afirma Lizandre Borges, diretora do Sindicato dos Bancários/ES que acompanha a greve no município.

Bancários dialogam com a população

Em frente às agências, bancários e diretores do Sindicato distribuíram panfletos e conversaram com os clientes sobre os motivos da greve. O coordenador geral do Sindicato dos Bancários/ES, Carlos Pereira de Araújo, Carlão, avaliou positivamente o primeiro dia da paralisação no Estado.

“O primeiro dia de greve foi vitorioso, tivemos uma grande adesão da categoria e total apoio dos clientes em relação à nossa pauta. A população reclama das condições de atendimento, das longas filas e das altas taxas de juros e tarifas, e sabe da necessidade de contratação de mais bancários”.

Carlão, que também integra o Comando Nacional de Negociações da categoria, lembrou que toda greve é um processo de adesão e que a expectativa do Sindicato é de que a mobilização aumente a cada dia. “Mais uma vez, os bancos não deram alternativa para a categoria que não fosse a paralisação. A tendência é que o número de agências fechadas aumente a partir de amanhã. Temos que multiplicar a nossa mobilização para garantir avanços concretos nas negociações. Por isso, pedimos novamente o apoio dos clientes e convocamos todos os bancários para aderir à greve”.

A aprovação da greve aconteceu nacionalmente, após 4 rodadas de debate sem acordo entre o Comando Nacional dos Bancários e Federação Nacional dos Bancos (Fenaban). A entidade patronal apresentou proposta de apenas R$ 6,1% de reajuste salarial – frente aos 11,93% requeridos pelos bancários – e negou praticamente todas as reivindicações da categoria sobre os eixos de saúde e condições de trabalho, segurança, igualdade de oportunidades, emprego, fim das metas, fim da rotatividade e das demissões e fim da terceirização.

Veja fotos do primeiro dia de greve na galeria

Imprima
Imprimir