Ana Vescovi abre nova seleção externa para Caixa e amplia desmonte do banco

Após demissão incentivada de 9,2 mil empregados e empregadas, Vescovi aprofunda a abertura de seleção externa para cargos estratégicos da Caixa

Sob o comando da capixaba Ana Vescovi, que ocupa o cargo de presidente do Conselho de Administração, a Caixa vem sofrendo um duro processo de esvaziamento de empregados e abertura para profissionais do mercado privado. Após a saída de 9,2 mil pessoas, com o plano de demissão incentivada que representou uma queda de 9,7%, a Caixa anunciou nesta semana a abertura de seleção externa para mais quatro vice-presidências do banco.

Desta vez, a seleção será para vice-presidências estratégicas para a gestão do banco: VIART-VP (Administração e Gestão de Ativos e Terceiros), VILOP-VP (Logística e Operações), VIPOV-VP (Produtos e Varejos) e VITEC – VP (Tecnologia da Informação). Essa é mais uma das medidas de Ana Vescovi para destruir a estrutura da Caixa como banco 100% público.

Mantendo a gestão da Caixa atrelada a interesses políticos e partidários, Vescovi abre setores estratégicos do banco para os interesses do setor privado, mas mantém duas vice-presidências interinas de fora da seleção: a VICLI, por ser indicação do Mendonça Filho do partido DEM, e a outra, a VITER, por ser indicação do então Ministro da Fazenda, Meirelles.

“Ao abrir a gestão da Caixa, Ana Vescovi deixa mais do que evidente que sua atuação é para fragilizar a Caixa como banco público, deixando-a pronta para ser privatizada. Além dessa medida, Vescovi também esvazia o corpo funcional da Caixa. A demissão de empregados prejudica o atendimento, penalizando principalmente o povo pobre atendido nos programas sociais. Mais do que nunca, é preciso mantermos nossa mobilização em defesa da Caixa 100% pública”, enfatiza a diretora do Sindibancários/ES, Rita Lima.

Confira também:

Ana Vescovi age como interventora para privatizar a caixa

Ana Vescovi quer mudar estatuto da caixa para atender interesses de Meirelles

Imprima
Imprimir