Apreciação do veto de Dilma Rousseff (PT) à realização da auditoria da dívida pública será feita na terça-feira, 08

Está marcada para a próxima terça-feira, 08, às 19h, a apreciação do veto da presidenta Dilma Rousseff (PT) em relação à realização da auditoria da dívida pública. Proposta pela bancada do PSOL em 2015 como uma das resoluções necessárias para enfrentar as crises econômica e social, a auditoria da dívida pública federal foi vetada por […]

Está marcada para a próxima terça-feira, 08, às 19h, a apreciação do veto da presidenta Dilma Rousseff (PT) em relação à realização da auditoria da dívida pública. Proposta pela bancada do PSOL em 2015 como uma das resoluções necessárias para enfrentar as crises econômica e social, a auditoria da dívida pública federal foi vetada por Dilma em janeiro deste ano.

A proposta de realização da auditoria foi Inclusa na lei do PPA (Plano Plurianual) 2016-2019 por emenda do deputado Edmilson Rodrigues (PSOL-PA), acatada pela Comissão de Finanças e Tributação da Câmara e, posteriormente, aprovada pelo Congresso Nacional (deputados e senadores).

A dívida pública é a soma das dívidas contraídas pelo governo com o objetivo de financiar os gastos não cobertos com a arrecadação de impostos. Essa dívida é formada tanto por empréstimos internacionais quanto pela emissão de títulos do governo, comprados por investidores com o objetivo de obter remuneração futura por meio de juros.

Segundo o diretor do Sindicato dos Bancários/ES, Carlos Pereira de Araújo, o Carlão, o Brasil vive uma oportunidade histórica de realizar a auditoria da dívida pública. “A auditoria está prevista na Constituição há 28 anos. Desde então é a primeira vez que temos a oportunidade de realizá-la e conhecer os mecanismos que fizeram com que ela crescesse exageradamente. Há indícios de que cerca de 75% dessa dívida era de empresas privadas, entre elas, bancos, e deforma fraudulenta transformou-se em dívida pública. O povo brasileiro tem o direito de saber quem são os beneficiados, onde esse montante foi aplicado e se de fato ainda devemos alguma coisa. Se devemos, temos que saber o quanto realmente devemos”, diz Carlão.

Segundo informações do site da Auditoria Cidadã da Dívida, em 2014 o governo federal gastou R$ 978 bilhões com juros e amortizações da dívida pública, o que representou 45,11% de todo o orçamento efetivamente executado no ano.

 

Essa quantia corresponde a 12 vezes o que foi destinado à educação, 11 vezes aos gastos com saúde, ou mais que o dobro dos gastos com a Previdência Social, conforme o gráfico abaixo.

 

 Grafico de pizza

Diante disso, o Sindibancários convoca toda a categoria a se mobilizar pela derrubada do veto da presidenta Dilma. Para isso, solicita que os trabalhadores e trabalhadoras enviem e-mail aos senadores e deputados estaduais capixabas reivindicando uma postura favorável à realização da auditoria.

Deputados Federais capixabas

Carlos Manato (SD) – dep.carlosmanato@camara.leg.br
Evair de Melo (PV) – dep.evairdemelo@camara.leg.br
Lelo Coimbra (PMDB) – dep.lelocoimbra@camara.leg.br
Marcus Vicente (PP) – dep.marcusvicente@camara.leg.br
Paulo Folleto (PSB) – dep.paulofoletto@camara.leg.br
Dr. Jorge Silva (PROS) – dep.dr.jorgesilva@camara.leg.br
Sérgio Vidigal (PDT) – dep.sergiovidigal@camara.leg.br
Max Filho (PSDB) – dep.maxfilho@camara.leg.br
Givaldo Vieira (PT) – dep.givaldovieira@camara.leg.br
Helder Salomão (PT) – dep.heldersalomao@camara.leg.br

Senadores capixabas

Ricardo Ferraço (PMDB) – ricardo.ferraco@senador.leg.br
Magno Malta (PR) – magno.malta@senador.leg.br
Rose de Freitas (PMDB) – rose.freitas@senadora.leg.br

Imprima
Imprimir

Comentários