Às vésperas da Campanha Nacional, Caixa convida 6 mil gestores para encontro em Brasília

Temer pode ser um dos convidados para encontro restrito aos gestores do banco

Às vésperas da Campanha Nacional, seis mil gestores da Caixa de todo o Brasil são aguardados pela instituição financeira em um encontro que ela está preparando para o dia 16 de maio, no estádio Mané Garrincha, em Brasília. O objetivo desse evento não foi esclarecido para os trabalhadores e trabalhadoras.

A diretora do Sindicato dos Bancários/ES Lizandre Borges alerta os gestores sobre a necessidade de não se deixar iludir pelo discurso dos patrões durante o encontro, pois esse é o momento de fortalecer a categoria para a Campanha Nacional.

“É muito estranho que às vésperas da Campanha Nacional a Caixa convide única e exclusivamente os gestores para esse evento. É uma tática perversa para dividir a categoria e enfraquecê-la. Os gestores devem estar atentos ao fato de que é necessária união de todos os bancários e bancárias, caso contrário perderemos direitos conquistados com décadas de lutas”, afirma Lizandre.

A diretora do Sindibancários Rita Lima levanta a possibilidade desse encontro ser mais uma espaço de pressão por metas e resultados.

“Temos que questionar também quais os demais objetivos desse encontro com os gestores. Cobrar metas? Resultados? Isso já é feito cotidianamente nas agências e tem sido uma das causas do adoecimento dos trabalhadores e trabalhadoras. E tudo indica que esse evento é um palanque para Temer, que é um dos convidados, o que o torna ainda mais imoral”, diz Rita Lima.

Rita Lima destaca que a magnitude do evento contrasta com o discurso de uma instituição financeira que afirma ter que fazer cortes de gastos, como fez recentemente ao lançar o Programa Eficiência.

“Como que a Caixa lança um programa com o objetivo de reduzir as despesas operacionais em R$ 2,5 bilhões até 2019, alega que tem que fechar agências, áreas intermediárias, cortar empregados e funções e agora faz gastos financeiros em um evento desse porte? Fica mais do que claro que o objetivo do Programa Eficiência é o sucateamento do banco”, diz.

Imprima
Imprimir