Assembleia de bancários aprova adesão à greve geral do dia 28

Paralisação será de 24 horas. Greve deve mobilizar outras categorias em paralisação nacional unificada.

Bancários e bancárias capixabas decidiram aderir à greve geral convocada para o dia 28 próximo. A decisão foi tomada em assembleia na noite desta terça-feira, 18, no Centro Sindical dos Bancários.

A expectativa é que trabalhadores de diversas categorias paralisem por 24 horas suas atividades em protesto contra as reformas da Previdência e trabalhista, em debate no Congresso Nacional, e a lei de terceirização, já sancionada pelo presidente Michel Temer (PMDB).

Ao longo da semana, sindicatos de bancários de outros estados também estão mobilizando suas bases para fortalecer o movimento paredista.

“Podemos ter no Espírito Santo uma das maiores mobilizações dos últimos anos. A população está entendendo que ou fazemos alguma coisa agora ou vamos perder muito. A proposta de reforma trabalhista altera pelo menos 100 pontos importantes da Consolidação das Leis do Trabalho flexibilizando direitos históricos”, destacou Idelmar Casagrande, dirigente da Intersindical.

Jonas Freire, coordenador geral do Sindicato, falou sobre a importância de construir a greve geral. “Temos que colocar o dia 28 na nossa agenda. Não adianta chegar ali na frente e se arrepender, é preciso fazer alguma coisa hoje, nos desdobrar, convocar aqueles que estão ao nosso lado, fazer o que foi possível para chamar a atenção para esses projetos nefastos”.

O Plenário da Câmara dos Deputados rejeitou hoje, por insuficiência de votos, o requerimento de urgência para o projeto de lei da reforma trabalhista (PL 6787/16). Eram necessários 257 votos favoráveis, mas o requerimento obteve apenas 230 votos e 163 contrários. A rejeição é uma vitória parcial dos trabalhadores, mas não impede a aprovação do projeto. Tanto a reforma Trabalhista quando a da Previdência podem entrar em votação ainda esta semana.

Centrais e movimentos de unem contra reformas

Nesta segunda-feira, 17,centrais sindicais e movimentos sociais se reuniram em plenária para organizar a greve geral, que vem sendo construída de forma unitária.

 

Imprima
Imprimir