Ato na Findes encerra protesto vitorioso contra terceirização

A manifestação contra o PL 4330, que teve início na madrugada desta quarta-feira, 15, foi finalizada com um ato no início desta tarde em frente à Federação das Indústrias do Espírito Santo (Findes), na Reta da Penha. O local foi escolhido por ser a Findes uma entidade de representação do empresariado capixaba e uma das […]

A manifestação contra o PL 4330, que teve início na madrugada desta quarta-feira, 15, foi finalizada com um ato no início desta tarde em frente à Federação das Indústrias do Espírito Santo (Findes), na Reta da Penha. O local foi escolhido por ser a Findes uma entidade de representação do empresariado capixaba e uma das maiores interessadas na aprovação do projeto da terceirização, assim como os bancos.

Durante o ato, o diretor do Sindicato dos Bancários/ES e membro da direção da Intersindical, Idelmar Casagrande, destacou que o mandato do Governador Paulo Hartung busca atender aos interesses do empresariado em detrimento das necessidades da classe trabalhadora: “Na Findes é que está o pensamento político de Paulo Hartung. É daqui que saem os projetos do governo; são articuladas as estratégias de gestão em prol do empresariado e de sucateamento das políticas públicas, consumindo o orçamento do Estado por meio de incentivos fiscais”. O diretor do Sindicato ressaltou que as manifestações uniram o campo e a cidade “para derrotar a burguesia, que apoia o PL 4330”.

Para o coordenador geral do Sindibancários, Carlos Pereira de Araújo, o Carlão, o protesto serviu para pautar as discussões sobre o projeto. “As paralisações de hoje foram vitoriosas. Houve grande mobilização e o debate ganhou as ruas e as redes sociais. A sociedade começou a conhecer esse projeto de lei, que significa um retrocesso de quase 100 anos nas conquistas da classe trabalhadora. Está descobrindo também a verdadeira face dos parlamentares que votaram a favor da proposta, inclusive, o compromisso que essas pessoas têm a favor dos financiadores de campanha, como grandes empresas e bancos que financiam candidaturas para aprovar leis que fazem as relações de trabalho voltarem a ser análogas à escravidão”, diz Carlão.

Os protestos, afirma Carlão, irão continuar. “Vamos fazer uma avaliação das manifestações de hoje e pensar novas ações. Pedimos aos bancários e bancárias para ampliar as denúncias contra os sete deputados que votaram a favor do PL. É fundamental que encaminhem mensagens criticando o posicionamento desses parlamentares e compartilhem nas redes sociais as informações sobre quem votou contra os trabalhadores”, afirma Carlão.

Confira aqui mais fotos do ato de hoje contra o PL 4330

Deputados capixabas contra os trabalhadores

Dos 10 deputados federais capixabas, sete votaram a favor do PL 4330. São eles: Evair de Melo (PV), Lelo Coimbra (PMDB), Marcus Vicente (PP),Dr. Jorge Silva (PROS); Paulo Foletto (PSB), Sérgio Vidigal (PDT) e Carlos Manato (Solidariedade). Apenas os deputados Givaldo Vieira (PT) e Helder Salomão (PT) foram contra a aprovação do projeto que precariza ainda mais as condições de trabalho no Brasil. Max Filho (PSDB) não compareceu ao plenário para votação.

Veja os e-mails dos deputados federais favoráveis ao PL 4330:

Carlos Manato (SD) –dep.carlosmanato@camara.leg.br
Doutor Jorge Silva (PROS) –dep.dr.jorgesilva@camara.leg.br
Evair de Melo (PV) –dep.evairdemelo@camara.leg.br
Lelo Coimbra (PMDB) –dep.lelocoimbra@camara.leg.br
Marcus Vicente (PP) –dep.marcusvicente@camara.leg.br
Max Filho (PSDB) –dep.maxfilho@camara.leg.br
Paulo Folleto (PSB) –dep.paulofoletto@camara.leg.br
Sergio Vidigal (PSD) –dep.sergiovidigal@camara.leg.br

Imprima
Imprimir