Ato nacional realizado no dia 5 cobra política de saúde na Caixa

Na ocasião foi entregue à direção documento que ressalta o aumento significativo de suicídios e afastamentos por doenças em razão de excesso de trabalho e jornada extenuante, elaborado a partir de pesquisa encomendada pelo Sindicato dos Bancários de Curitiba e Região

Na última quinta-feira (5), empregados da Caixa Econômica Federal participaram de ato nacional em defesa da vida dos empregados e pelo fim da gestão que adoece e mata. A manifestação ocorreu em frente à Matriz I, em Brasília (DF). Na ocasião, o Sindicato dos Bancários de Curitiba e Região entregou ao diretor de Pessoas da empresa, Roney de Oliveira, documento em que ressalta o aumento significativo de suicídios e afastamentos por doenças em razão de excesso de trabalho e jornada extenuante.

Em 22 de fevereiro, o sindicato já havia promovido um ato na capital paranaense para expor o descaso da direção do banco com a saúde dos empregados. “Ela não pode continuar fazendo de conta que o aumento no número de suicídios não existe. Seremos a consciência deles!”, ressalta Genésio Cardoso, diretor da entidade.

Genésio ressalta que a situação em Curitiba foi agravada porque a Caixa administra a conta funcional da prefeitura. “São 50 mil contas a mais. Enquanto isso, o banco reduziu o número de empregados em 279 e há 470 aprovados no concurso de 2014. Já denunciamos ao Ministério Público do Trabalho, que solicitou à Caixa o número de afastamentos por motivo de depressão ou outros transtornos mentais e psicológicos”, relata.

Estudo realizado pela Secretaria de Saúde do Paraná aponta a categoria bancária como a primeira colocada nas notificações de transtornos mentais relacionados ao trabalho, no período de 2006 a 2017. “Mas o problema se repete em todo o país. Há tempos cobramos uma discussão sobre política de saúde mental, mas a Caixa continua ignorando a necessidade e não priorizando esse debate”, acusa a diretora de Saúde e Previdência da Fenae, Fabiana Matheus.

Na última reunião do Grupo de Trabalho (GT) Saúde do Trabalhador, no dia 27 de março, o assunto foi debatido. Os representantes dos empregados defenderam a realização de uma oficina de saúde mental com a participação de especialistas e representações da empresa e dos trabalhadores. A Caixa já havia assumido o compromisso de realização do evento, mas a atual gestora da área de saúde, Fernanda Campelo, disse que deverá levar a proposta à direção da empresa antes de dar uma resposta final.

Fonte: Contraf

Imprima
Imprimir