Bancários são recebidos com ação sindical na festa do BB

Sindicato dos Bancários levou os presentes da reestruturação no Banco do Brasil para os bancários participantes da festa de confraternização na AABB: descomissionamentos sem nenhum crítério, assédio moral, cobrança excessiva por metas, falta de transparência do banco, entre outros. Ação sindical ocorreu no sábado passado, dia 09.

Funcionários do Banco do Brasil que chegavam para a festa de confraternização de final de ano, promovida no último sábado, 09, pela Superintendência Estadual, foram surpreendidos por uma ação sindical, realizada pelo Sindibancários/ES, na portaria da AABB, em Manguinhos, Serra.

A festa teve início por volta do meio dia de sábado, mas os dirigentes do Sindicato já estavam a postos para receber cada trabalhador e seus convidados, com presentes simbólicos e panfletos destacando os efeitos nocivos da estruturação no banco (leia abaixo). Goretti Barone, diretora do Sindibancários/ES, destacou que a ação atingiu o resultado esperado.

“Atingimos o objetivo, que era mostrar a nossa indignação em relação aos descomissionamentos sem critério, à postura autoritária do banco e ao assédio moral, além da falta de transparência. Nós e os aposentados fomos a voz tantos dos descomissionados quanto dos bancários nesta ação,”, afirma.

O aposentado José Carlos Ferreira, 50 anos, também participou da movimentação sindical em frente à AABB.  “O BB tem um potencial de praça mas não tem um ponto de equilíbrio na obtenção do lucro. Esse processo está muito desequilibrado. Tem provocado um adoecimento, um clima de falta de prazer e não satisfação para trabalhar. O descomissionamento, por exemplo, vai levar o terror para as agências e, inclusive, aumentar o nível de cobrança para os funcionários”, afirma Zé Carlos.

Mônica Ferreira de Almeida, aposentada, trabalhou 28 anos no Banco do Brasil. Ela contou que ainda costuma visitar as agências e sua impressão é de que o banco virou “loja de liquidação”. “As agências estão apáticas, sem energia. Faço visitas constantes e percebo que virou uma loja de liquidação. O BB está deixando de ser do Brasil para se tornar um banco de mercado”, diz.

Confira a galeria de imagens aqui.

Leia o panfleto distribuído na ação sindical:

 

Imprima
Imprimir