Bancárias e bancários capixabas celebram a luta com música e animação

Roda de boteco, apresentações culturais e alegria marcam a festa em homenagem ao Dia da Bancária e do Bancário

A festa das bancárias e dos bancários capixabas, que aconteceu neste domingo, dia 23, no Ilha Shows, em Vitória, foi marcada por muita música e alegria. Com muita animação, Mara Veloso e Nóis no Samba abriram a confraternização com samba raiz e em seguida Renato Casanova e Banda levou todos para a pista de dança com reggae, pop e forró. Além de muita música boa, o buffet também foi destaque na festa. Roda de boteco com muito tira-gosto típico e cerveja gelada liberados.

A celebração, organizada pelo Sindibancários/ES todos os anos, é em homenagem ao Dia do Bancário e da Bancária, comemorado no último dia 28 de agosto.

Jonas Freire, coordenador geral do Sindibancários/ES, ressalta a importância da realização da festa junto à categoria. “Para nós, diretores do sindicato, a festa além de ser prazerosa, é fundamental porque entendemos que tem uma coerência entre a luta e a festa. O Dia do Bancário e da Bancária foi conquistado na luta. Portanto, trata-se de festejar as nossas vitórias conquistadas em todos esses anos de resistência. E lembrar que todos os nossos direitos são resultado de nossas lutas, da organização da nossa categoria e que a gente tem que continuar resistindo e um dia como diz Gil e Capinan: ‘ainda transformaremos essa vida em festa, trabalho e pão’”, enfatiza.

A cada ano, o sindicato traz uma apresentação cultural regional para mostrar a riqueza da cultura capixaba. Ano passado foi o Hip Hop, esse ano o som da Consertina, representando os pomeranos de Santa Maria de Jetibá, encantou os presentes. “Somos um povo com uma cultura muito rica. O Espírito Santo é formado por indígenas, quilombolas, pomeranos e nossa proposta em trazer essas apresentações culturais para a festa é apresentar para os bancários toda a nossa diversidade cultural para que a gente valorize cada vez mais a cultura capixaba”, explica Thiago Duda, diretor de cultura do Sindibancários/ES.

No ritmo do samba, Zenóbia Lima Fialho, funcionária do Banestes, disse que essa festa nunca pode parar! “Esse momento de encontrar os amigos, rir, conversar sobre nossas lutas é maravilhoso. Isso aqui é uma terapia, a energia que rola é muito boa”, afirmou.

Antônio Marcos, bancário do Banco do Brasil, contou que faz questão de vir todos os anos e convida aqueles que não conhecem a festa a participar das próximas. “A festa é um momento ótimo pra gente confraternizar, comemorar as nossas lutas, as nossas superações e mostrar que é junto que a gente conquista nossos direitos. Quem não veio esse ano, venha nos próximos, pois esse momento vale muito a pena”, disse.

 

 

 

Imprima
Imprimir