Bancário é reintegrado por meio de ação movida pelo Sindicato

A reintegração ocorreu na segunda-feira, 04. O bancário sofria assédio moral cotidianamente e, inclusive, foi excluído de alguns treinamentos necessários para os trabalhadores e trabalhadoras que acabaram de ingressar no banco.

Os dirigentes Paulo Soares e Jonas Freire, o bancário reintegrado Jarbas, e Jessé Alvarenga (Foto: Sérgio Cardoso)

O técnico bancário Jarbas Lima, que foi demitido do Banestes quatro dias antes do término do probatório, foi reintegrado nesta segunda-feira, 04, por meio de uma ação movida pelo Sindicato dos Bancários/ES. Após sofrer assédio moral cotidianamente, o bancário foi dispensado pelo gerente, que alegou que o trabalhador não tinha boa produtividade. Contudo, o bancário nem sequer pôde participar de todos os treinamentos necessários para os recém chegados, pois foi excluído de alguns deles por esse mesmo gerente.

Ao ser demitido, Jarbas Lima procurou imediatamente o Sindicato.

“O Sindicato é quem representa a gente. Por isso, busquei o auxílio da assessoria jurídica do Sindibancários. Hoje estou aliviado e com a sensação de que a justiça cumpriu seu dever”, afirma Jarbas.

Jarbas veio do Maranhão após passar no concurso do Banestes. De acordo com o bancário, ele participou do primeiro treinamento. Porém, sem nenhuma explicação, foi excluído do segundo, que aconteceria 45 dias depois. Para piorar a situação, a técnica bancária responsável por acompanhá-lo e repassar os serviços foi transferida. O trabalhador, então, ficou sozinho, sem nenhuma orientação, sendo hostilizado pelo gerente quando o abordava para fazer perguntas referentes ao trabalho para executá-lo da melhor forma possível.

A reintegração de Jarbas Lima é a segunda no Banestes em cerca de um mês.

“A reintegração vem para demonstrar o tratamento injusto, autoritário e assediador que o banco tem dado aos funcionários. O Banestes precisa repensar os métodos de avaliação e a maneira como trata o corpo funcional em seu cotidiano”, diz o coordenador geral do Sindicato Jonas Freire.

Imprima
Imprimir