Bancários abraçam Pio XII em dia de luta contra a reestruturação

Bancários se organizaram em plenária realizada na noite de ontem e, nesta manhã, realizaram ato em três agências do ES. Em Vitória, bancários deram abraço simbólico na agência Pio XII

A realização do Dia de Luta foi deliberada após a recusa do Banco do Brasil em dialogar com os trabalhadores

A realização do Dia de Luta foi deliberada após a recusa do Banco do Brasil em dialogar com os trabalhadores

Os bancários do Banco do Brasil realizaram ações de resistência ao desmonte operado pelo governo golpista de Michel Temer no banco em três agências, Pio XII e Moscoso, em Vitória, e Colatina, no interior. Na capital e no interior, os bancários realizaram panfletaço e conversaram com clientes, em ato simbólico, a agência Pio XII foi abraçada em defesa do emprego e do BB público. A mobilização compõe o Dia Nacional de Luta Contra a Reestruturação, com atividades em dezenas de cidades brasileiras.

Sob o comando de Temer, o BB anunciou fechamento de 402 agências e a transformação de outras 379 em postos de atendimento. O processo de reestruturação envolve cortes de mais de 9 mil postos de trabalho e vai provocar redução salarial de milhares de funcionários, caso estes não forem realocados. Em reação ao desmonte, os bancários têm pressionado o banco a dialogar sobre o processo de reestruturação por meio da Comissão de Representate de Empregados do Banco do Brasil/Contraf, mas as tentativas não têm gerado frutos. A ação deste manhã antecede mais uma reunião da Comissão com o BB, que acontece amanhã em São Paulo.

O BB se nega a discutir com seriedade a reestruturação dando sequência a uma postura autoritária e antidemocrática com os trabalhadores. Não vamos aceitar esse desmonte da forma como está sendo implantada e estamos dispostos a resistir, explica Dérik Bezerra, diretor do Sindibancários/ES.
Bancários abraçam Pio XII

Os bancários e bancárias se concentraram em frente a Agência Pio XII

Os bancários e bancárias se concentraram em frente a Agência Pio XII

A mobilização começou por volta das 08h, quando bancários e diretores do Sindicato seguiram para agências. Na Pio XII, bancários subiram o prédio mobilizando os empregados da agência, que atenderam o chamado dos colegas para realizar um ato simbólico em frente à agência para discutir a reestruturação e analisar as perspectivas políticas da luta dos bancários do BB em defesa do emprego e do banco. Durante a ação, parte dos trabalhos da agência foram paralisados.

“Enfatizamos que o banco tem tratado seus funcionários como números e nós bancários não aceitaremos tal postura da direção e do governo”, informa Bezerra.
Ao final da mobilização, os bancários abraçaram simbolicamente a agência, expressando a defesa coletiva do Banco do Brasil por aqueles que constroem diariamente seu lucro e sua importância para a economia e a sociedade brasileira.

Na avaliação de Bezerra, é momento dos trabalhadores do BB e de toda categoria serem solidários com a situação dos colegas afetados imediatamente pelo desmonte.

“Infelizmente, alguns bancários acham que não serão afetados agora ou muito brevemente pelo desmonte, mas os desdobramentos do ajuste fiscal continuarão a estrangular os bancos públicos”, enfatiza o diretor.

Plenária organizou dia de luta

A ação foi organizada na plenária realizada na noite de ontem no Sindicato, no espaço os bancários avaliaram o desmonte e identificaram uma variável compartilhada pelos empregados do banco, o medo e a incerteza institucionalizada pela gestão do BB, que tem interferido nas relações de trabalho.
“Há uma sensação de insegurança em relação aos rumos do banco e do emprego”, avalia o Dérik Bezerra, diretor do Sindibancários/ES.

Na plenária, os bancários também discutiram a necessidade de construir uma resistência mais rígida ao governo Temer e às ações sobre os bancos públicos e contra o ajuste fiscal. Além do ato na Pio XII, a plenária pelo envio de uma carta para à Comissão de Representante dos Empregados do Banco do Brasil/Contraf exigindo um encontro nacional das entidades para discutir um calendário de luta. A carta vai ser elaborada pelo Sindicato e compartilhada com os bancários.

Dia de luta nacional

O dia de luta nacional antecedeu mais uma reunião entre as representações sindicais e o banco, marcada para a quinta-feira (8). Já na quarta-feira da semana seguinte (14), acontecerá negociação sobre o modelo digital em implantação no banco.

A Comissão de Empresa dos Bancários se reuniu com o Banco do Brasil, em Brasília, na última quinta-feira, 1, para mais uma rodada de negociação sobre o processo de reestruturação implementado pelo governo golpista no último mês. No encontro, a Comissão apresentou à direção do BB seu descontentamento com o desmonte operado pelo governo ilegítimo no patrimônio dos brasileiros e na carreira dos empregados do BB, mas o banco se recusou a passar informações aos representantes dos trabalhadores sobre a reestruturação, como a planilha dos cargos e dotações cortadas em cada prefixo. O banco também não respondeu claramente o que vai acontecer com aqueles que não conseguirem realocação.

Leia mais sobre a reunião de negociação em “BB não recua da reestruturação e bancários convocam dia de luta.”

 

Imprima
Imprimir