Bancários atingem metas, mas premiação vai só para superintendentes

Sindicato critica falta de transparência em destinação dos prêmios de campanha de incentivo. Na SR Sul, superintendente e substituto receberam viagem para Cancún

A Caixa Econômica Federal distribuiu 500 pacotes de viagens individuais como prêmio da campanha de incentivo Tamo Junto 9 Bi+, lançada em junho de 2018 para ampliar a produtividade e alcançar a meta de R$ 9 bilhões de lucro em 2018. Com o trabalho coletivo, a meta foi superada e o lucro da Caixa alcançou R$ 10,35 bi. Mas, se tinha trabalho de sobra para todo mundo, o acesso à premiação passou longe dos empregados do baixo escalão, pelo menos na Superintendência Regional (SR) Sul do Espírito Santo.

A SR Sul atingiu classificação para receber dois pacotes individuais de viagem, com destino para Cancún. Mas só quem pôde curtir o ensolarado litoral Caribenho, no México, foram a superintendente da unidade e o seu substituto eventual. Nada de mais se a destinação do prêmio tivesse seguido parâmetros transparentes, mas a definição passou apenas pelo Comitê Regional da campanha e os critérios não foram divulgados.

“Apesar de ter sido homologado no Comitê, entendemos que quem conquistou o prêmio foi o coletivo dos bancários, desde o técnico até o superintendente, então seria justo que esse prêmio fosse sorteado entre os que construíram esse resultado ou seguido outro critério que permitisse a todos a chance de concorrer à viagem”, critica a diretora do Sindibancários/ES Rita Lima.

As viagens foram usufruídas entre os dias 22 e 30 de maio. Ao todo, o orçamento da campanha foi de R$ 40 milhões. Para o Sindicato, é preciso reforçar a transparência desses processos para que não haja beneficiamento de um empregado em detrimento de outro.

“Esperamos que a próxima campanha seja feita de outra maneira, mais democrática, transparente, e que considere o esforço coletivo e não o esforço apenas dos gestores”, destaca Lizandre Borges, diretora do Sindicato e empregada da Caixa.

Imprima
Imprimir