Bancários começam a greve

Na primeira manhã de greve, os bancários se concentraram em frente às agências e conversaram com os clientes distribuindo panfletos com informações sobre os lucros das instituições financeiras, os juros e tarifas cobradas da população, o fechamento dos postos de trabalho e o adoecimento da categoria. “Queremos mais contratações, respeito e dignidade para trabalhar”, resumem […]

Na primeira manhã de greve, os bancários se concentraram em frente às agências e conversaram com os clientes distribuindo panfletos com informações sobre os lucros das instituições financeiras, os juros e tarifas cobradas da população, o fechamento dos postos de trabalho e o adoecimento da categoria. “Queremos mais contratações, respeito e dignidade para trabalhar”, resumem os bancários.

Conforme deliberado na assembleia organizativa realizada ontem, os capixabas decidiram manter aberto o autoatendimento, para causar o mínimo impacto para a população.

A greve acontece após cinco rodadas de negociação entre o Comando Nacional dos Bancários e a Federação Nacional dos Bancos. Os representantes patronais não atenderam às reivindicações da categoria no que diz respeito às cláusulas de saúde, condições de trabalho, igualdade de oportunidades e também às cláusulas econômicas. O reajuste salarial proposto pelos bancos foi de apenas 5,5%, índice que sequer cobre a inflação do período de data-base, que é de 9,88%, de acordo com o INPC.

Imprima
Imprimir