Bancários consideram proposta do BNB insuficiente

O BNB afirmou que vai seguir a Fenaban nas cláusulas econômicas e benefícios. O banco negou as reivindicações específicas.

A direção do Banco do Nordeste do Brasil (BNB), a Contraf e os sindicatos se reuniram em Fortaleza na terça-feira, 13, para uma rodada de negociação. No que diz respeito às cláusulas econômicas e aos benefícios, os representantes da instituição financeira afirmaram que irão acompanhar o que for proposto pela Fenaban.

Com relação à pauta específica, a direção do BNB limitou-se a entregar minuta de acordo contendo as disposições referentes ao ponto eletrônico. Além disso, manifestou que não atenderá qualquer reivindicação relativa ao Plano de Cargos e Remuneração e à eleição de diretores para Camed e Capef.

Sobre a Participação nos Lucros e Resultados (PLR), o BNB informou não ter autorização do Governo para efetuar adiantamentos e que o programa de PLR que adotará considerará o resultado do exercício de 2016, por meio da consecução de metas corporativas e distribuição de até 12% do lucro líquido, sendo 9% da regra básica da Fenaban e 3% de PLR Social, conforme é autorizado pelo Governo e limitado a 25% do valor distribuído a título de dividendos.

“Todo ano o BNB atua de forma intransigente em relação à pauta específica, negando a isonomia e outras reivindicações”, diz o diretor do Sindicato dos Bancários/ES, João Bosco Teixeira.

A proposta foi considerada insuficiente pelos trabalhadores e trabalhadoras. A orientação é que a greve seja mantida.

Imprima
Imprimir

Comentários