Bancários da Caixa aprovam propostas para Campanha Salarial no 29° Concef

Reunidos no 29° Congresso Nacional dos Empregados da Caixa Econômica Federal (Conecef), que aconteceu de 17 a 19 de maio, em São Paulo, os bancários da Caixa discutiram as prioridades para a Campanha Salarial 2013 e aprovaram a minuta de reivindicação específica. Cinco grandes eixos foram apontados: condições de trabalho – 6 horas já para […]

Reunidos no 29° Congresso Nacional dos Empregados da Caixa Econômica Federal (Conecef), que aconteceu de 17 a 19 de maio, em São Paulo, os bancários da Caixa discutiram as prioridades para a Campanha Salarial 2013 e aprovaram a minuta de reivindicação específica. Cinco grandes eixos foram apontados: condições de trabalho – 6 horas já para todos, mais contratações, melhorias na logística e fim do assédio moral; isonomia – ATS e licença prêmio para todos, fim da discriminação do REG/Replan não saldado, ticket na aposentadoria e para aposentados; valorização do piso; Saúde Caixa e recuperação do poder de compra dos salários. 

O Congresso teve o lema “Sou da Caixa, faço um Brasil melhor – Sobra trabalho, faltam estrutura e reconhecimento”. A carência de funcionários frente à alta demanda de trabalho, os problemas de burla no registro de ponto, excesso de horas extras e a cobrança intensiva de metas foram algumas das questões debatidas durante o encontro.

“Em todos os grupos de debate apareceram como temas centrais os problemas de condições de trabalho enfrentados pelos empregados da Caixa para o cumprimento de suas funções. Esse, certamente, será um dos eixos prioritários de reivindicação e o principal desafio da categoria durante as negociações”, afirma Lizandre Borges, diretora do Sindicato dos Bancários/ES que integrou a delegação capixaba ao Conecef.

Na avaliação de Rita Lima, também diretora do Sindicato/ES, o Congresso foi um momento importante para preparar nacionalmente a Campanha Salarial e articular a categoria, contudo, é preciso ampliar os debates para além da minuta. “O congresso foi bastante produtivo com relação aos trabalhos de grupo, mas temos que ampliar as discussões. No formato atual, ficamos presos na elaboração da minuta e resta pouco tempo para debater os problemas cotidianos e nossa estratégia de mobilização para enfrentá-los”.

Ao todo, 337 delegados participaram do 29° Conecef, sendo 217 homens e 120 mulheres. A delegação capixaba foi composta por 11 delegados – 6 mulheres e 5 homens: Ângela Barone, Álvaro Antonio dos Reis, João Bosco Teixeira, Kerley Herculano, Lizandre Borges, Marcos Santolin, Paola Pelacani, Renata Garcia, Rita Lima, Titony Barcelos, Vinícius de Moraes
da Silva.

A partir da próxima semana o Sindicato divulgará um jornal especial com a cobertura completa do 29 ° Conecef. Confira as principais resoluções do Congresso:

Saúde do trabalhador, condições de trabalho e Saúde Caixa

-Combate ao assédio moral
-Medição e adequação obrigatória dos índices de ruído, luminosidade e temperatura no ambiente de trabalho, pelo menos a cada seis meses;
-Realização do PCMSO e PRO no município de moradia do empregado;
– Cobertura pelo Saúde Caixa de fisioterapia, RPG, acupuntura e psicoterapia, sem limite de sessões e sem exigência de autorização da auditoria ou da Gipes;
-Eliminação da carência de 15 dias entre um atendimento e outro quando se tratar de pronto-socorro, entre outras.
– Pagamento de Adicional de Periculosidade aos empregados que trabalhem em locais considerados áreas de risco de assaltos e sequestros;

Funcef e Aposentados

– Fim do voto de minerva nas instancias da Funcef;
-Reconhecimento, por parte da Caixa, do CTVA como verba salarial para fins de aporte à Funcef, aos que permaneceram no REG/Replan não saldado, bem como aos que saldaram;
– Apoio aos projetos de lei complementar 140/2007, de autoria do deputado federal Eudes Xavier, 588/2010 e 161/2012 e 236/2012, de autoria do deputado federal Ricardo Berzoini, que alteram disposições das leis complementares 108 e 109/2001;
– Manutenção do Fundo para Revisão de Benefícios, art. 115 do regulamento do REG/Replan saldado e art. 91 do Novo Plano, como instrumento permanente da política de aumentos reais para os benefícios;
– Fim da discriminação e direito do pessoal do REG/Replan migrar para o PCS 2008 e PFG 2010;
-Recuperação e utilização do superávit para melhorar os benefícios REG/Replan a exemplo do saldamento.

Segurança Bancária, carreira e condições de funcionamento das agências e Representação dos Trabalhadores

– Revogacão imediata das restricões impostas como pré-requisitos para a candidatura de empregados/as ao cargo de representante eleito pelos empregados/as no Conselho de Administração da Caixa, permitindo que qualquer empregado possa concorrer, independentemente de ter ou não ocupado função gratificada;
– Elevação do valor da indenização por assalto/sinistro para o equivalente a 100 salários mínimos calculados pelo Dieese;
– Retomada da implantação do modelo “Agência Segura”;
– Abertura de agências somente com o total cumprimento do plano de segurança homologado pela Polícia Federal;
– Criação da função gratificada de assistente no atendimento social;
– Valorização da função de avaliador de penhor com revisão do piso de mercado;
– Realização de atendimento expresso obrigatoriamente por empregado com função de caixa;
-Abertura de novas unidades somente com a estrutura física, de segurança e ergonomia necessárias ao atendimento adequado à população.
– Aperfeiçoamento do modelo do PFG, incluindo progressão horizontal em cada cargo/função, por tempo de exercício;

Papel social da Caixa, contratação, isonomia, Sipon e jornada de trabalho

– Jornada de seis horas para todos
– Fim das horas-extras sistemáticas;
-Extinção do registro de horas negativas do Sipon e do bloqueio de acesso motivado por falta de homologação do gestor ou decorrente de hora extra não acordada;
– Isonomia: extensão do ATS e licença prêmio para todos os empregados admitidos a partir de 1998;
– Revisão da Estrutura Salarial Unificada (ESU) e do Plano de Cargos e Salários (PCS) da carreira administrativa, com valorização salarial;
-Fim da responsabilizacão do empregado no caso de irregularidades no registro do Sipon.

Imprima
Imprimir