Bancários do Banestes aprovam minuta de reivindicações específica

Na tarde do sábado, 27, os bancários do Banestes discutiram sobre a minuta de reivindicações específica e fizeram a avaliação da Campanha Salarial 2014 durante o V Congresso Estadual dos Bancários e Bancárias. Entre os pontos debatidos estão o índice de reajuste a ser reivindicado na mesa de negociação, que este ano será de 25,55%, […]

Na tarde do sábado, 27, os bancários do Banestes discutiram sobre a minuta de reivindicações específica e fizeram a avaliação da Campanha Salarial 2014 durante o V Congresso Estadual dos Bancários e Bancárias. Entre os pontos debatidos estão o índice de reajuste a ser reivindicado na mesa de negociação, que este ano será de 25,55%, a Banescaixa, Fundação Banestes, o PL 4330 e as perdas salariais. O coordenador geral do Sindicato dos Bancários/ES e bancário do Banestes abriu o debate fazendo uma breve análise da conjuntura estadual.

“Estamos numa conjuntura diferente. Este ano Paulo Hartung assumiu o Governo do Estado pela terceira vez e temos que lembrar que em seu segundo mandato houve rompimento das negociações com os banestianos. Além disso, ele afirma que o Espírito Santo está quebrado, o que não é verdade e, por tanto, não podemos cair nessa armadilha”, afirma Jessé. O também diretor do Sindicato e bancário do Banestes, Jonas Freire, salientou a necessidade de defesa do Banestes público e estadual.

“É preciso estar atento a isso, pois já este ano houve a tentativa de privatização da Banestes Seguros. A privatização da seguradora pode fragilizar todo o sistema Banestes e esse debate deve ser feito pelos trabalhadores em seu ambiente de trabalho para esclarecer o risco que a privatização da Banseg significa”, destaca Jonas, que alertou os bancários e bancárias sobre a armadilha que é a defesa da contribuição por idade na Banescaixa.

“Alguns trabalhadores dizem que preferem a contribuição por idade na Banescaixa do que o regime de solidariedade. Eles alegam que quem usa mais o plano tem que pagar mais. Porém, é preciso entender que se hoje a pessoa que é jovem e não utiliza muito o plano, amanhã, quando tiver mais idade, passará a usar com mais frequência. E aí essas pessoas verão que não defender o regime de solidariedade é um equívoco”, diz.

A presidente da Banespar, Maria José Marcondes Pimenta, destacou que a luta pelos direitos dos aposentados deve ser a luta de todos banestianos, inclusive os da ativa, pois, segundo ela, a realidade dos aposentados é precária e os jovens devem ter consciência de que, no futuro, eles passarão a viver isso. “Quando a gente se aposenta, perde o vale alimentação, passa a ter desconto integral no plano de saúde, tem um aumento irrisório na remuneração e, consequentemente, perde o poder de compra. Os aposentados não existem para o Banestes”,desabafa. Durante a discussão da minuta foi aprovada a participação da Banespar nas negociações.

Outro ponto debatido foi o PL 4330, que propõe a terceirização irrestrita. “Temos que ir para a rua protestar contra essa proposta. Caso ela seja implementada, acarretará na extinção da categoria bancária. Os trabalhadores e trabalhadoras do setor financeiro estão entre os que mais irão sofrer se esse projeto de lei vir a ser aprovado”, destaca o diretor do Sindicato dos Bancários/ES e diretor do Bandes, Ivaldo Albano.
Os bancários e bancárias do Bandes irão discutir sua minuta em uma assembleia a ser realizada no próprio local e trabalho.

Veja as principais reivindicações da minuta do Banestes:

– O Banestes procederá à reposição das perdas salariais ocorridas no período de setembro de 1994 a agosto de 2015.

– Reajuste salarial de 25,55%

– O Banestes suspenderá a implantação de qualquer processo de terceirização a partir da data de entrega da pauta específica.

– O Banestes efetuará contribuição à Banescaixa, no mínimo, de forma paritária, na mesma proporção das contribuições dos empregados ativos, aposentados e seus dependentes do Sistema financeiro Banestes.

– Abono assiduidade de seis dias para todos os empregados durante o ano, sendo proibida sua conversão em verba pecuniária.

– Vale Cultura para todos os funcionários

– Adicional de periculosidade para trabalhadores de agências situadas em locais que se encontram em situação de risco social.

– Adicional de periculosidade para funcionários responsáveis pela manutenção das máquinas fora da agência, além de fornecimento de equipamentos de segurança.

– Contribuição do patrocinador à Fundação Baneses enquanto o bancário estiver na ativa. Hoje essa contribuição cessa quando o bancário alcança o direito à aposentadoria oficial, que é a soma da idade (55 anos) com 35 anos de contribuição ao INSS, para homem, e 30 anos, para mulher. 

– Defesa de todo o sistema Banestes público e estadual.

Imprima
Imprimir

Comentários