BB: bancários paralisam agência sem ar condicionado em São Mateus

A unidade está sem ar condicionado na área de autoatendimento e no andar dos caixas. Banco foi notificado sobre o problema, mas depois de prazo de 45 dias não tomou providências para garantir as condições de trabalho e de atendimento.

A agência do Banco do Brasil de São Mateus foi paralisada nesta terça-feira, 14, por intervenção do Sindicato e dos empregados da agência. A unidade está há 4 meses sem ar condicionado na área de autoatendimento,  situação que foi agravada na última semana quando o aparelho de ar condicionado do segundo andar da unidade, onde ficam os caixas, também parou de funcionar.

A direção do Banco do Brasil foi notificada sobre o problema, mas num prazo de 45 dias nenhuma providência foi tomada. “Trata-se do bem-estar dos bancários e clientes. É impossível permanecer na agência sem a climatização adequada, o ambiente fica insalubre devido ao calor. O banco adota medidas paliativas que não solucionam o problema”, diz o diretor do Sindibancários/ES Thiago Duda, que é empregado do BB.

A agência é a única do Banco do Brasil na cidade e tem grande fluxo de clientes. A área de autoatendimento não tem outra forma de ventilação e recebe sol durante todo o dia. Uma bancária e um vigilante já tiveram que ser encaminhados ao pronto-socorro depois de passaram mal com o calor. Alguns empregados recorreram a ventiladores comprados por eles próprios para aliviar as altas temperaturas.

Diretoras do Sindicato estiveram na agência no último dia 07 para avaliar as condições de trabalho. Além do calor intenso, elas flagraram problemas estruturais como forro desabando no banheiro, cadeiras com estofamento rasgado, mobiliários danificados e carpete tomado pela sujeira.

Para Duda, a situação da agência é um reflexo da política de sucateamento do Banco do Brasil, que fica mais evidente após a reestruturação do banco.

“O que vem acontecendo no BB após a reestruturação, além da falta de funcionários, é o abandono da estrutura das agências. Parece que há uma intencionalidade em manter as estruturas precárias. Recorremos de todas as formas, mas o problema foi se arrastando. Mais uma vez, o banco coloca o lucro acima da vida de seus empregados e clientes, justamente aqueles que são os responsáveis por esse lucro. Precisamos chamar a atenção para isso. Diante da falta de diálogo, a única alternativa foi fechar a agência”, critica Thiago.

O Sindicato aguarda um posicionamento do Banco do Brasil e continuará tomando as medidas políticas e jurídicas cabíveis para garantir as condições de trabalho e de atendimento na unidade.

Fotos Thiago Mosaico

Imprima
Imprimir