Bancários do ES e RJ aprovam fim das metas como eixo da Campanha Salarial 2015

Reunidos na 17ª Conferência Interestadual dos Trabalhadores do Ramo Financeiro do RJ e do ES, no último sábado, 04, bancários aprovaram a proposta de minuta da Campanha Salarial 2015. Fim das metas, jornada de seis horas, piso do Dieese e fim dos correspondentes bancários são as principais reivindicações da categoria. A Conferência foi realizada em […]

Reunidos na 17ª Conferência Interestadual dos Trabalhadores do Ramo Financeiro do RJ e do ES, no último sábado, 04, bancários aprovaram a proposta de minuta da Campanha Salarial 2015. Fim das metas, jornada de seis horas, piso do Dieese e fim dos correspondentes bancários são as principais reivindicações da categoria. A Conferência foi realizada em Macaé, no Rio de Janeiro, e as propostas serão encaminhadas para discussão e votação na Conferência Nacional dos Bancários.

Outro importante eixo aprovado foi o fim da terceirização e a luta contra o PL 4330 (PLC 030/2015), que libera a terceirização irrestrita no Brasil. A estatização do sistema financeiro e a ampliação do número de empregados também foram aprovados pelos bancários como eixos da Campanha.

A reposição das perdas do período do FHC foi uma das principais reivindicações da tese da Intersindical, defendida pelo Sindibancários/ES. No entanto, a corrente majoritária, formada pela Articulação, conseguiu derrubar a proposta e aprovar apenas a recomposição do poder de compras.

O índice de reajuste aprovado foi de 7% de ganho real mais inflação (9,17% estimada) e PLR de três salários acrescida de R$ 6.500,00. Ao final do evento, foram eleitos os delegados para a Conferência Nacional da categoria, que será nos dias 31 de julho, 01 e 02 de agosto, em São Paulo. A delegação capixaba para a Conferência é formada por 14 bancários e bancárias.

Índice rebaixado

A delegação capixaba defendeu o índice aprovado pelos bancários do Espírito Santo na Conferência Estadual da categoria, realizada em junho. A proposta era de índice geral para a campanha unificada de 25,55%, sendo 9,17% referentes à inflação estimada do período (setembro de 2014 e agosto de 2015), e 15% referentes à lucratividade dos bancos e à rentabilidade dos seus patrimônios líquidos. Foi defendido também a PLR Linear de 25% para todos os bancários. No entanto, as propostas foram rejeitadas pelo plenário, formado majoritariamente por bancários ligados à Articulação e ao Fórum.

Agora, a delegação capixaba irá defender, junto com outras forças políticas, como a Intersindical, um índice mais elevado na Conferência Nacional dos Bancários. “Vamos nos empenhar na Conferência Nacional para aprovar um índice que leve em consideração, de fato, o que o trabalhador produziu, a alta lucratividade dos bancos e que motive o bancário a participar da Campanha Salarial. Além disso, na Campanha Salarial é preciso evidenciar a luta por melhores condições de trabalho, com o fim metas e do assédio moral, pelo fim das demissões e contra a terceirização”, destaca o coordenador geral do Sindibancários/ES, Jessé Alvarenga.

Palestra

Durante a Conferência Interestadual também foi realizada a palestra “Sindicalismo e as novas tecnologias de comunicação”, proferida por Helder Molina, professor de Economia e Política da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ). “Na sociedade capitalista, a mídia é o partido político da classe dominante. E no Brasil, 90% da mídia pertencem a apenas seis famílias. O papel do movimento sindical é de fazer o enfrentamento a essa mídia hegemônica, utilizando, por exemplo, as redes sociais como instrumentos para politizar a sociedade e promover o debate em defesa dos direitos dos trabalhadores”, destacou o professor durante a palestra.

Imprima
Imprimir

Comentários