Bancários fazem protesto na Praça Pio XII

A tarde desta sexta-feira, 11, foi marcada por um ato da categoria bancária na Praça Pio XII, em frente ao Banco do Brasil, no Centro de Vitória. A manifestação ocorreu na véspera do aniversário do BB, que completa 205 anos no dia 12 de outubro. Durante o ato os trabalhadores denunciaram as péssimas condições de […]

A tarde desta sexta-feira, 11, foi marcada por um ato da categoria bancária na Praça Pio XII, em frente ao Banco do Brasil, no Centro de Vitória. A manifestação ocorreu na véspera do aniversário do BB, que completa 205 anos no dia 12 de outubro. Durante o ato os trabalhadores denunciaram as péssimas condições de trabalho nas quais se encontram, além de reivindicar direitos dos funcionários do BB e um banco que, de fato, priorize sua função social.

“O Banco do Brasil deveria fomentar o desenvolvimento, o crescimento do país, ser referência na função social”, afirma a diretora do Sindicato dos Bancários/ES, Goretti Barone. Segundo ela, o protesto foi também contra o sistema financeiro nacional, que é o que mais lucra no Brasil e no mundo as custas dos trabalhadores. “Por isso que, durante o ato, distribuimos banana, pois enquanto o BB lucrou cerca de 10 bilhões no primeiro semestre deste ano, nós recebemos somente banana”, diz a sindicalista.

O também diretor do Sindicato, Tiago Duda, afirma que o BB prioriza a busca incessante por lucro em detrimento da função social da instituição financeira. “O banco tem se empenhado numa disputa com o Itaú pelo primeiro lugar em lucro, mesmo que, para isso, tenha que prejudicar a saúde dos trabalhadores”, diz Tiago. Ele ressalta, ainda, que nessa busca pelo lucro o BB cobra tarifas menores de clientes com grande poder aquisitivo, enquanto a maioria da população cada vez mais é incentivada a se dirigir aos correspondentes bancários, usufruindo de um serviço precarizado e sem nenhuma segurança.

Apoios aos professores do Rio de Janeiro

Durante o ato os trabalhadores bancários prestaram sua solidariedade aos professores das redes estadual e municipal do Rio de Janeiro. Estiveram presentes na Praça Pio XII representantes de movimentos ligados à área da educação, como a diretora do Diretório Central dos Estudantes da Ufes (DCE), Nayara Abdalla; além do professor da Universidade e ex-bancário, André Dardengo.

“O DCE da Ufes é solidário à luta dos bancários e dos professores, pois não podemos aceitar nenhuma forma de exploração, de precarização. Por isso, nos posicionamos contra o PL 4330, que vai precarizar ainda mais os trabalhadores brasileiros”, afirma Nayara. “Apesar da forte repressão, os professores se mantém firmes na luta. Os bancários também prosseguem na defesa de seus direitos e devem ser parabenizados por isso”, diz André.

Imprima
Imprimir