Bancários protestam contra demissões no HSBC

Os bancários do HSBC paralisaram as atividades do banco até o meio dia desta terça-feira (25) como forma de protestar contra a política de demissões e rotatividade da empresa. O HSBC, banco inglês com agências no Brasil, teve lucro de 1,22 bilhões em 2012 e, apesar das cifras bilionárias, fechou 1002 postos de trabalho no […]

Os bancários do HSBC paralisaram as atividades do banco até o meio dia desta terça-feira (25) como forma de protestar contra a política de demissões e rotatividade da empresa. O HSBC, banco inglês com agências no Brasil, teve lucro de 1,22 bilhões em 2012 e, apesar das cifras bilionárias, fechou 1002 postos de trabalho no país. 

A paralisação aconteceu em três agências do HSBC, na Grande Vitória: as da Enseada do Suá e de Goiabeiras, em Vitória, e a da Glória, em Vila Velha. As manifestações aconteceram no Brasil e em outros países da América Latina, concretizando o dia 25 de junho como o “Dia Internacional de Luta no HSBC”.

“A rentabilidade do banco, no Brasil, é maior do que em qualquer outro país onde ele atua. No entanto, o HSBC cobra aqui as mais altas taxas de juros e as maiores tarifas do mundo, mostrando que o banco não respeita o Brasil e os brasileiros. O banco manda o lucro para a matriz na Inglaterra e deixa aqui o desemprego e a precarização do trabalho”, explica o diretor do Sindicato dos Bancários/ES, Fabrício Coelho, que participou da paralisação.

Valorização

Com a injusta política de demissões e com a rotatividade exagerada do banco, o número de funcionários nas agências é insuficiente para a realização do trabalho. Isso acaba gerando uma sobrecarga de trabalho para os bancários e provoca filas nas agências e piora na qualidade do atendimento. Por isso, nesta terça-feira (25), os bancários do HSBC também reivindicaram melhores condições de trabalho, mais respeito e valorização dos trabalhadores.

Imprima
Imprimir