Bancários realizam manifestação nesta sexta e vão construir a greve geral

Bancários vão às ruas contra a terceirização e as reformas da Previdência e trabalhista. Categoria também aprovou fortalecer mobilização para adesão à greve geral no dia 28 de abril

Os bancários decidiram pela manifestação na sexta e greve no dia 28 (Foto: Sérgio Cardoso)

Em assembleia realizada na noite desta quarta-feira, 29, os bancários capixabas aprovaram a realização de manifestações de rua na sexta-feira, 31, dia nacional de mobilização contra a terceirização e as reformas da Previdência e trabalhista. Também foi consenso ampliar o movimento para a adesão à greve geral convocada para o dia 28 de abril, quando o Brasil vai parar.

“Nunca se teve tanta tecnologia nos bancos, nas empresas e querem nos fazer voltar ao início do capitalismo, sem direitos. Precisamos falar isso para as gerações mais jovens. Nosso Brasil está vivendo uma situação muito grave”, afirmou a diretora do Sindicato Rita Lima, que fez uma apresentação sobre as conseqüências do projeto de terceirização aprovado no Congresso Nacional, que seguiu para a sanção pelo presidente Michel Temer (PMDB). Ela também destacou os riscos das reformas da Previdência e da reforma trabalhista, que devem ser votadas no parlamento entre abril e maio.

A mobilização é contra as reformas do Governo Federal (Foto: Sérgio Cardoso)

A assembleia dos bancários contou a participação de dois diretores do Sindicato dos Petroleiros do Espírito Santo. Rafael Cordeiro Peres e Dennyson Augusto Lomba dos Santos falaram da necessidade da união das categorias nesse momento de ataques contra os trabalhadores. Segundo Rafael Cordeiro, hoje na Petrobras a proporção de terceirizados e funcionários próprios é de três para um. A tendência com a aprovação da terceirização irrestrita, que permite inclusive que a atividade-fim da empresa seja executada por terceiros, é o contingente de terceirizados aumentar ainda mais.

Hoje se há uma demanda judicial, a empresa terceirizada responde e a Petrobras também é chamada no processo. Com a mudança aprovada, a Petrobras só será acionada depois de esgotada a demanda contra a terceirizada. Isso significa a impunidade, pois com a lentidão da Justiça o prazo vai prescrever, explica ele, exemplificando um dos muitos problemas da lei da terceirização.

Manifestação e greve

Bancários e petroleiros, além de outras categorias, estarão juntos na manifestação desta sexta-feira nas ruas de Vitória. Também acontecem manifestações no interior do Estado. E no dia 28 de abril, todos os brasileiros estão convocados para a greve geral em defesa dos direitos da classe trabalhadora.

 

 

Imprima
Imprimir