Bancos enrolam e não apresentam proposta

Nova rodada de negociação inicia na próxima terça-feira, 21, e terminará apenas se houver proposta decente ou impasse

Enrolação e desrespeito! Essa foi a postura da Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) na sétima rodada de negociação realizada na manhã desta sexta-feira, 17. Mais uma vez, os bancos  não apresentaram uma nova proposta que atenda as reivindicações da categoria e sequer levaram a redação das cláusulas que estavam pendentes. A única resposta dos bancos foi o agendamento de uma  nova rodada de negociação para a próxima terça-feira, 21.  O  Comando Nacional aceitou essa proposta e o acordado foi de que a próxima rodada do dia 21 terminará apenas quando houver uma proposta que atenda as reivindicações da categoria ou se chegar a um impasse.

O diretor do Sindibancários/ES,  representante dos bancários capixabas e da Intersindical no Comando Nacional, Carlos Pereira de Araújo (Carlão), defendeu na reunião de avaliação do  Comando, realizada na  quinta-feira, 16, a proposta dos bancários capixabas tirada em assembleia de início de greve no próximo dia 22. No entanto, a maioria do Comando Nacional avaliou que seria precipitado iniciar uma greve antes de se esgotarem as negociações com os bancos.

“A maioria do Comando Nacional avaliou que as negociações devem ser esgotadas antes de começar o movimento grevista. Vamos seguir com as negociações e  semana que vem é o prazo final para os banqueiros, que estão com a pauta de reivindicações da categoria desde o dia 20 de junho.  Se não houver uma proposta dos bancos na rodada que inicia na terça-feira, 21, que atenda as reivindicações da categoria, ou se houver impasse, o Comando Nacional irá se reunir para definir um calendário de luta com a construção de uma greve por tempo indeterminado. Não aceitaremos retirada de direitos e defendemos a manutenção do emprego e do padrão de contratação na categoria bancária”,  enfatizou Carlão.

Durante todos os dias de negociação que começa na terça-feira, 21, os bancários e bancárias de todo o país estarão mobilizados em uma semana de luta. Na tarde desta sexta-feira, 17,  haverá ainda rodada de negociação com a Caixa e o Banco do Brasil. Já na segunda-feira, 20, acontece uma nova negociação com o Banestes.nosso prazo fin

Proposta indecente

A proposta da Fenaban apresentada no dia 7, previa acordo de quatro anos com reposição da inflação a cada data base da categoria (1º de setembro). Para 2018, o reajuste seria de 3,82% (projeção do INPC entre 1º de setembro de 2017 e 31 de agosto de 2018). Os representantes dos bancários já deixaram claro: acordo de quatro anos só com garantia de empregos.

Os bancos ainda querem alterar cláusulas da Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) da categoria, segundo eles, para garantir segurança jurídica, mas não apresentaram a redação das modificações.

Ação mobiliza bancários e clientes

Na manhã desta sexta-feira, 17, diretores e diretoras do Sindibancários/ES foram às ruas de Campo Grande, em Cariacica, e Laranjeiras, em Serra, para dialogar com a população e bancários sobre a pauta de reivindicações da categoria. Garantia dos direitos já conquistados, melhores condições de trabalho, melhoria do atendimento aos clientes, valorização salarial e fim das metas estão entre os principais pontos da pauta dos bancários e bancárias.

Imprima
Imprimir