Bancos gastam R$ 9 milhões de recursos públicos com compra de ingressos para a Copa

Assistir os jogos da Copa Mundo sem pagar nada é o desejo de muitos brasileiros. Para um grupo seleto de empresários, milionários e parceiros de bancos públicos do Brasil esse desejo será realizado. O Banco do Brasil, a Caixa Econômica e o BRB, de Brasília, gastaram R$ 9 milhões na compra de ingressos Vip’s da […]

Assistir os jogos da Copa Mundo sem pagar nada é o desejo de muitos brasileiros. Para um grupo seleto de empresários, milionários e parceiros de bancos públicos do Brasil esse desejo será realizado. O Banco do Brasil, a Caixa Econômica e o BRB, de Brasília, gastaram R$ 9 milhões na compra de ingressos Vip’s da Fifa para distribuírem a esse grupo.

O Banco do Brasil foi o campeão de investimento: pagou R$ 5 milhões por um número de ingressos não revelado. Os beneficiados serão clientes, prioritariamente, com investimento acima de R$ 50 milhões e representantes de grandes empresas.

Já a Caixa Econômica comprou 480 ingressos, no valor de R$ 1,8 milhão, para 14 partidas. Os ingressos serão distribuídos para donos de lotérica e para empregados do banco, como parte da campanha de incentivo “Vai Brasil”. O menor valor foi aplicado pelo BRB, que investiu 1,2 milhão de reais em 30 ingressos para clientes para cada um dos sete jogos do mundial. “Enquanto a Caixa utiliza dinheiro para financiar a Copa, muitas casas populares deixam de ser construídas. Esperamos que essa ‘generosidade’ se repita em nossa Campanha Salarial com a reposição das perdas salariais, que são de aproximadamente 80%, acumuladas desde julho de 1994”, diz a diretora do Sindicato dos Bancários/ES, Rita Lima.

“O Banco do Brasil é um banco público e é absurdo que ele faça o uso de recursos públicos para beneficiar clientes, principalmente clientes com alto poder aquisitivo. O banco explora o trabalhador, pratica assédio moral para que as metas sejam alcançadas e, ao invés de fazer investimentos para melhores condições de trabalho, ele usa os recursos para troca de ingressos”, contesta a diretora do Sindicato, Goretti Barone.

Copa da exclusão

A preparação das cidades brasileiras para receber a Copa do Mundo desde o início foi cercada de ações e projetos truculentos do Governo. Para a construção dos estádios e de obras de mobilidade urbana, centenas de famílias e comunidades foram removidas dos seus espaços de moradia.

A Copa do Mundo ao invés de trazer benefícios econômicos e sociais para a população brasileira irá beneficiar apenas entidades privadas e grandes corporações, que se apropriaram do esporte. A saúde, educação, saneamento básico, transporte e segurança ficaram em segundo plano para que o Brasil bancasse a Copa do Mundo, a todo e qualquer custo.

 

Com informações de A Gazeta

Imprima
Imprimir