Bancos pagam 19 milhões em multas por falta de segurança

A negligência e o desrespeito dos bancos com a vida dos trabalhadores e clientes crescem de forma contínua. Em 2014, a Polícia Federal (PF) aplicou multas de R$ 19,062 milhões contra 21 bancos por falhas na segurança de agências e postos de atendimento bancário. O montante significa um crescimento de 535,90% em relação a 2012, […]

A negligência e o desrespeito dos bancos com a vida dos trabalhadores e clientes crescem de forma contínua. Em 2014, a Polícia Federal (PF) aplicou multas de R$ 19,062 milhões contra 21 bancos por falhas na segurança de agências e postos de atendimento bancário. O montante significa um crescimento de 535,90% em relação a 2012, quando os bancos foram multados em R$ 3,557 milhões. As penalidades foram aplicadas durante as quatro reuniões da Comissão Consultiva para Assuntos de Segurança Privada (CCASP), ocorridas em 2014 em Brasília.

O Banco do Brasil ocupa novamente o primeiro lugar na lista das instituições que violaram as normas de segurança e pagou R$ 5,089 milhões em multas. Em seguida, vem o Itaú com R$ 4,585 milhões, Bradesco com R$ 3,449 milhões, Santander com R$ 2,986 milhões, Caixa com R$ 1,593 milhão e o HSBC com R$ 557,61 mil. O Banestes ocupou a 12ª posição no levantamento e pagou R$ 31,93 mil em multas.

O levantamento foi elaborado pelo Dieese, com dados da Contraf, que representa os bancários na CCASP. Também integram a CCASP representantes do governo e entidades dos vigilantes e dos empresários. A Febraban é representante dos bancos. As principais irregularidades punidas foram o número insuficiente e a falta de rendição de vigilantes no horário de almoço, alarmes e portas giratórias inoperantes, transporte de valores feito ilegalmente por bancários, inauguração de agências sem plano de segurança aprovado pela PF e cerceamento da fiscalização de policiais federais, dentre outras.

“A segurança ainda é considerada um custo para os bancos e as multas aplicadas tornam ainda mais evidente o desrespeito dos bancos com a vida dos trabalhadores e dos clientes. Vamos continuar lutando para que os bancos cumpram as legislações em vigor, garantindo a proteção da vida das pessoa”, enfatiza o coordenador geral do Sindibancários/ES, Carlos Pereira de Araújo (Carlão).

O crescimento das multas é resultado do aumento da quantidade de reuniões da CCASP (em 2012 ocorreram somente três), o que representou o julgamento de maior número de processos contra bancos, abertos pelas delegacias estaduais de segurança privada (Delesp), por causa do descumprimento da lei federal nº 7.102/83 e de portarias da Polícia Federal.

As multas foram aplicadas em reuniões da CCASP, presididas pela delegada Silvana Helena Vieira Borges, titular da Coordenadoria-Geral de Controle de Segurança Privada (CGCSP). Nas reuniões da CCASP houve também aplicação de multas e outras penalidades contra empresas de segurança, vigilância e transporte de valores e cursos de formação de vigilantes, igualmente por descumprimento da legislação federal e das normas da Polícia Federal.

Conforme estudo do Dieese, com base nos balanços publicados, os cinco maiores bancos (BB, Itaú, Bradesco, Caixa e Santander) lucraram R$ 28,3 bilhões no primeiro semestre de 2014, enquanto as despesas de segurança e vigilância somaram R$ 2,4 bilhões, o que representa média de 8,6% em relação aos lucros auferidos.

A pesquisa nacional feita pela Contraf em parceria com a Confederação Nacional dos Vigilantes (CNTV) revelou que houve 32 mortes em assaltos envolvendo bancos no primeiro semestre deste ano, reforçando o descaso dos bancos com a segurança.

A próxima reunião da CCASP em 2015 está agendada para o dia 4 de março.

Com informações da Contraf e do Dieese

Imprima
Imprimir