Bandes endurece negociação e se recusa a discutir Plano de Carreira, retirando proposta

Sindibancários/ES convoca todos os empregados para uma plenária de avaliação do movimento grevista no Bandes para esta quinta-feira, 22, ao meio dia, no auditório do Sindicato.

A direção do Bandes mostrou que não é diferente dos banqueiros tradicionais. Na reunião de negociação realizada na tarde
desta terça-feira, 20, o banco retirou da mesa a proposta apresentada no último dia 15, recusada pelo Sindibancários/ES, e suspendeu as negociações.

Diante da negativa do banco, o Sindicato convoca todos os empregados para uma plenária de avaliação do movimento grevista no Bandes. A atividade será nesta quinta-feira, 22, ao meio dia, no auditório do Sindicato.

Durante a reunião com o banco, a Comissão dos empregados, coordenada pelo Sindicato, reafirmou que além das propostas já apresentadas era indispensável dar sequência às negociações discutindo um novo Plano de Cargos e Resultados, pautas prioritárias para a categoria.

“O nosso Plano de Cargos e Salários está em vigor há quase 20 anos. A defasagem é muito grande, e o banco se recusa a fazer uma revisão. Trabalhadores com 12 anos de casa ganham praticamente a mesma coisa que os recém ingressos, ou seja, não há
perspectiva de valorização e crescimento. Há anos estamos tentando negociar essa pauta, o banco se compromete a montar comissões para reformulação que sequer saem do papel, apenas para enrolar os empregados”, critica Ivaldo Albano.

O diretor lembra também que há dois anos os empregados estão sem política de mérito, que simplesmente deixou de ser aplicada pelo banco.

“O banco ajustava com os gerentes a meta e a política comportamental para, no fim do ano, apurar o resultado individual e chegar ao valor de aumento a que cada trabalhador teria direito. Mas na hora de aprovar nunca havia recurso. Os bancários trabalhavam, cumpriam as metas estabelecidas pelo banco, mas não recebiam o previsto pelas próprias regras da instituição financeira. Hoje, nem mesmo o rateio está sendo feito pelo banco”, diz Albano.

Dérik Bezerra, diretor do sindicato que integra a comissão de negociação, afirma que os bancários não devem se intimidar.

“Sem luta não há garantia de direitos, o banco tentou pressionar os empregados para encerrar uma greve assinando um cheque em branco, oferecendo apenas a Fenaban e propostas acessórias, sem discutir o que é central para a categoria. Estão sendo intransigentes, assim como os banqueiros representados na mesa nacional. Isso significa que precisamos intensificar nossa mobilização”, diz Derik.

A proposta do Bandes incluía licença-paternidade de 20 dias, extensão da cesta-alimentação e auxílio-refeição para os afastados por doença por até 2 anos, além de 13ª cesta e abono de 4 dias não consecutivos a serem usufruídos em 2017.

Imprima
Imprimir

Comentários