Bandes se recusa a negociar regra de PR e gera impasse nas negociações

Na última quinta-feira, 23, aconteceu nova reunião entre a comissão dos empregados do Bandes e o banco para tratar do pagamento da Participação nos Resultados (PR) referente à Campanha Salarial 2014. As negociações, contudo, chegaram a um impasse, uma vez que o banco insiste em manter o mesmo modelo de distribuição de 2013, criticado pelo […]

Na última quinta-feira, 23, aconteceu nova reunião entre a comissão dos empregados do Bandes e o banco para tratar do pagamento da Participação nos Resultados (PR) referente à Campanha Salarial 2014. As negociações, contudo, chegaram a um impasse, uma vez que o banco insiste em manter o mesmo modelo de distribuição de 2013, criticado pelo Sindicato por não atender de forma igualitária a todos os empregados.

Ainda nas negociações de 2013, o Sindibancários/ES cobrou uma planilha de pagamento da PR e questionou o banco se haveria algum prejuízo para qualquer trabalhador da empresa. Na oportunidade, a comissão de negociação do Bandes se negou a apresentar a planilha e assegurou que não haveria perda para os empregados, o que não se concretizou.

Além disso, o banco não cumpriu a cláusula 6ª do Acordo de PR 2013/2014, que previa a criação de uma comissão paritária para estudar uma nova fórmula de aplicação da PR. A Comissão teria prazo para concluir os trabalhos até 31 de agosto de 2014, mas sequer chegou a se reunir, mesmo tendo o Sindicato indicado os nomes responsáveis para integrar a comissão e feito inúmeras cobranças.

Neste ano, o Bandes voltou com a mesma proposta de PR, mas apresentou a planilha de cálculos. Pelos dados, é possível verificar que a forma de pagamento divide os empregados em dois grupos, de modo que um será beneficiado em relação ao outro.

O Sindibancários/ES, como entidade representativa de todos os trabalhadores do Bandes, não pode concordar com o tratamento diferenciado dos bancários, por isso, defende a aplicação da PR conforme regra da Fenaban, como previsto no Acordo Coletivo 2014/2015, na cláusula 28ª – Aplicação da Convenção Coletiva da categoria.

 

Imprima
Imprimir