Banestes diz que vai seguir a Fenaban nas cláusulas econômicas

Em reunião na tarde desta quarta-feira, 9, a comissão do Banestes afirmou que vai seguir o índice de reajuste salarial que for pactuado na mesa de negociação do Comando Nacional dos Bancários e a Federação Nacional dos Bancos. O mesmo vale para as demais cláusulas econômicas, como piso salarial. O Banestes só quer debater localmente […]

Em reunião na tarde desta quarta-feira, 9, a comissão do Banestes afirmou que vai seguir o índice de reajuste salarial que for pactuado na mesa de negociação do Comando Nacional dos Bancários e a Federação Nacional dos Bancos. O mesmo vale para as demais cláusulas econômicas, como piso salarial.

O Banestes só quer debater localmente as reivindicações específicas. Para isso foram agendadas duas reuniões: no dia 14 de setembro serão discutidas as cláusulas de saúde e seguranças; no dia 15 entram em pauta as reivindicações sobre Banescaixa e Fundação Baneses.

Essa foi a primeira rodada de negociação com a comissão dos bancários do Banestes. “Nós fizemos uma apresentação de toda a minuta e cobramos do banco o reajuste de 25,55%, conforme aprovado no nosso congresso, mas o banco se recusa a negociar qualquer índice além do nacional”, afirma o diretor do Sindicato Jonas Freire, que integra a comissão dos bancários. Ele lembra que é preciso mobilização, pois a convenção nacional é o patamar mínimo para as negociações específicas.

Banescaixa

Em relação à Banescaixa, os funcionários do Banestes querem a formação de uma comissão paritária para debater a situação do plano de saúde. “O custo da mensalidade é alto, o banco não contribui para os dependentes e para os aposentados. Além disso, o número de credenciados é reduzido e nem todas as especialidades estão contempladas”, avalia Jonas Freire.

Uma das reivindicações sobre a Baneses é o aumento da contribuição patronal de 9% para 15%, passando a incidir também sobre as horas extras. 

Imprima
Imprimir