Banestes lucra R$ 161 milhões e pode investir em desenvolvimento

Lucro líquido do banco foi de R$ 161,40 milhões em 2016, o que significa um crescimento de 7% em relação ao ano anterior.

O resultado positivo alcançado pelo Banestes em 2016 mostra que o banco tem saúde financeira e é um importante instrumento de desenvolvimento regional. Os dados apresentados nesta quarta-feira, 22, pela direção do banco apontam um lucro líquido de R$ 161,40 milhões em 2016, o que significa um crescimento de 7% em relação ao ano anterior.

O patrimônio líquido do banco atingiu R$ 1,3 bilhão em dezembro do ano passado, ou seja, 8,8% acima do registrado no mesmo período de 2015.  A carteira de crédito do banco foi ampliada em 8,2%, atingindo R$ 4,9 bilhões. Já os depósitos em poupança cresceram 2,3% e a carteira de crédito imobiliário subiu 44,4%.

Na avaliação do economista Helder Gomes, que assessora o Sindicato na campanha em defesa do Banestes público e estadual, o resultado mostra o potencial do banco para dar suporte às políticas públicas. “O governo, como acionista majoritário do Banestes, retém boa parte desse lucro, recurso usado para resolver os problemas de caixa no Estado e para fomentar políticas públicas. Na medida em que o banco apresenta resultados positivos — e que foram crescentes nos últimos anos –, ele reflete o seu potencial como instrumento de fomento das políticas públicas no Estado.

Helder salienta também o papel do Banestes para a promoção de um desenvolvimento mais horizontal da economia capixaba.  “O banco promove horizontalidades, ele tem o potencial de reter os excedentes da produção nos próprios municípios onde ele capta recursos, ao invés de transferi-los para a Grande Vitória. Se perdermos isso teremos uma centralização de recursos do banco. Além disso, o próprio banco gera uma demanda de serviços nos municípios que propiciam várias atividades econômicas que ajudam a dinamizar a economia local e elevam a arrecadação de impostos, tanto para o Estado como para os municípios”.

Para o coordenador geral do Sindicato Jonas Freire, mais uma vez fica evidente que “o Banestes é uma empresa viável, pois mesmo em um cenário de crise no país, uma das piores já enfrentadas no Brasil, o banco teve crescimento”.

Jonas Freire destaca o aumento da carteira de crédito imobiliário: “O banco ficou muito tempo fora desse mercado e registrou um excelente desempenho no ano passado. Isso demonstra a credibilidade da instituição perante a sociedade e a proximidade com os clientes. Por ser o banco do Estado, o Banestes é uma referência”, afirma Freire.

O coordenador geral do Sindicato também lembra a dedicação, o empenho e a integridade no serviço prestado pelos bancários, que construíram uma relação de confiança com a população do Espírito Santo.

Imprima
Imprimir