BB: GDP contém armadilha contra funcionários de cargo técnico

O Banco do Brasil está usando a GDP, avaliação semestral da instituição financeira, para tentar fugir do pagamento de 7ª e 8ª horas, ao tentar caracterizar os cargos técnicos como sendo de confiança. Como artifício, o banco usa um item da avaliação como armadilha, confundindo os trabalhadores que ocupam cargos que deveriam ser de 6 […]

O Banco do Brasil está usando a GDP, avaliação semestral da instituição financeira, para tentar fugir do pagamento de 7ª e 8ª horas, ao tentar caracterizar os cargos técnicos como sendo de confiança. Como artifício, o banco usa um item da avaliação como armadilha, confundindo os trabalhadores que ocupam cargos que deveriam ser de 6 horas, de modo que assumam que ocuparam função de funcionário preposto, item que caracteriza cargo de 8 horas.

O Sindicato orienta os funcionários a marcarem a opção “Y – As atividades exercidas não requerem esta competência” no item descrito a seguir:

“Representa o Banco em reuniões internas e externas e em demandas judiciais e extrajudiciais, resguardando os interesses da empresa, demonstrando conduta compatível com o exercício da função”.

Caso o funcionário já tenha avaliado o item acima, com notas de 1 a 7, o Sindicato lembra que é possível alterar a resposta até 6 de janeiro de 2014.

 

Fonte: Seeb Brasília

Imprima
Imprimir