Caixa adota novo canal de atendimento e aumenta sobrecarga de trabalho dos bancários

Mesmo mantendo a política de corte de empregados, Caixa aumenta a sobrecarga de trabalho dos bancários com a adoção do Whatsapp Enterprise, por meio do qual clientes poderão realizar negócios e solicitar serviços

Em mais uma ação de desrespeito aos empregados, a Caixa lançou um novo canal de comunicação e de prestação de serviços: o WhatsCaixa, por meio do qual clientes podem fazer negócio, receber alertas financeiros e faturas de cartão de crédito, por exemplo. O que a primeira vista parece ser uma inovação tecnológica, é na verdade mais uma ferramenta de exploração dos bancários e bancárias. Desde dezembro de 2014, a Caixa cortou 15 mil funcionários, fechou 30 agências e pretende encerrar a atividade mais 100 unidades, aumentando a sobrecarga de trabalho dos seus empregados e limitando o atendimento à população.

O projeto ainda está na fase piloto e apenas clientes empregados podem aderir ao canal. No entanto, conforme comunicado interno do banco, em breve o serviço estará disponível para todos os clientes do banco, o que acarretará no aumento de demandas para os bancários e as bancárias. Além disso, o uso da ferramenta Whatsapp Enterprise pela Caixa viola a cláusula 37ª da Convenção Coletiva dos bancários, que proíbe a cobrança de cumprimento de resultados por mensagens no telefone particular do empregado.

“A Caixa impõe uma lógica de trabalho remoto ao mesmo tempo em que exclui os clientes das agências, principalmente os de baixa renda, visando o sucateamento e a privatização do maior banco público do país. Apesar de parecer uma modernidade, é preciso estar atento às consequências terríveis da adoção dessa ferramenta na rotina de trabalho dos empregados: aumento da exploração, da intensificação da cobrança por metas e o fim da jornada de seis horas de trabalho”, enfatiza o diretor do Sindibancários/ES, Igor Bongiovani.

Com agências lotadas, os bancários já se desdobram para atender os clientes, que também sofrem com a longa espera nas filas. Com a adesão dessa ferramenta do Whatsaapp, a situação será ainda pior, como destaca o diretor. “A Caixa não atende a reivindicação do movimento sindical de contratação de mais empregados, submetendo os clientes a um atendimento precarizado. Adotar essa ferramenta não é, portanto, se preocupar com os clientes, mas selecionar o público atendido e impor ainda mais trabalho aos bancários”, frisa Bongiovani.

 

Imprima
Imprimir