Caixa anuncia nova fase do PDE sem reposição de trabalhadores

Programa de Desligamento de Empregados da Caixa pretende desligar 2.964 pessoas sem reposição, precarizando ainda mais as condições de trabalho no banco.

Mais uma etapa do Programa de Desligamento de Empregados (PDE) foi anunciada pela Caixa na última quinta-feira, dia 22. A justificativa do banco é de reduzir custos e melhorar o capital financeiro. Para isso, o banco pretende desligar 2.964 trabalhadores, sem reposição. Entre junho de 2014 e dezembro de 2017 foram desligados do banco, sem reposição, 12.110 bancários.

De acordo com o comunicado interno feito pelo banco, os funcionários poderão aderir ao PDE a partir do dia 23 de fevereiro até 5 de março. Os aptos devem estar aposentados pelo INSS até a data do desligamento, com exceção de aposentados por invalidez; ou serem trabalhadores que estejam aptos a se aposentarem pelo INSS até 31 de dezembro deste ano; ou com no mínimo 15 anos de trabalho na Caixa; ou com adicional de incorporação de função de confiança ou cargo em função gratificada até a data de desligamento.

“A consequência dessa diminuição do contingente de trabalhadores, somando ao aumento da cobrança de metas individuais, gera o adoecimento físico e, principalmente, psicológico, o que muitas vezes leva o trabalhador a atitudes extremas, como, por exemplo, o suicídio”, enfatiza a diretora do Sindibancários/ES, Lizandre Borges.

Segundo ela, nesta nova fase do PDE, “a Caixa mais uma vez demonstra a despreocupação com o atendimento e as condições de trabalho.

Hoje, a Caixa conta com cerca de 87 mil bancários, o que já representa um alto déficit para o único banco presente em quase todos os 5.570 municípios brasileiros. Ao todo são 3.400 agências, após o fechamento de 100 unidades em 2017.

Com informações da Contraf

Imprima
Imprimir