Caixa apresenta lucro bilionário às custas da sobrecarga de trabalho dos bancários

No primeiro trimestre deste ano, a Caixa apresentou lucro líquido de R$ 1,5 bilhão, com crescimento de 2,5% em relação ao mesmo período do ano passado. O banco também criou 997 novos postos de trabalho em comparação ao primeiro trimestre de 2014. No entanto, somente no primeiro trimestre deste ano a Caixa teve um saldo […]

No primeiro trimestre deste ano, a Caixa apresentou lucro líquido de R$ 1,5 bilhão, com crescimento de 2,5% em relação ao mesmo período do ano passado. O banco também criou 997 novos postos de trabalho em comparação ao primeiro trimestre de 2014. No entanto, somente no primeiro trimestre deste ano a Caixa teve um saldo negativo de 1.188 postos devido ao Programa de Apoio à Aposentadoria implantado no início deste ano.

Além disso, o déficit de empregados é ainda maior tendo em vista a abertura de 82 novas agências nos últimos 12 meses, sendo 10 no último trimestre. Para obter altos lucros, a Caixa mantém uma política de gestão baseada em ínfimas contratações e pressão por metas, gerando sobrecarga de trabalho para os bancários e adoecimento da categoria. 

O balanço

A Caixa foi a responsável por 34,0% do crescimento do mercado de crédito nos últimos doze meses, respondendo por 20,3% do crédito ofertado pelo sistema financeiro, dados do relatório da administração do banco.

Segundo a análise do Dieese, a Carteira de Crédito Ampliada cresceu 20,1% em doze meses e atingiu R$ 624,43 bilhões, com alta de 3,2% no trimestre. O crédito total para pessoas físicas (que inclui crédito imobiliário e rural) cresceu 21,9% em relação a março de 2014, chegando a R$ 443,5 bilhões. Já o total do crédito para pessoas jurídicas alcançou R$ 168,6 bilhões, com elevação de 17,3% no período.

O Índice de Inadimplência superior a 90 dias cresceu 0,23 ponto percentual em 12 meses, ficando em 2,86% em março de 2015. Apesar da baixa inadimplência, o banco elevou suas despesas com provisões para créditos de liquidação duvidosa (PDD) em 102,9%, totalizando R$ 5,03 bilhões. O crescimento do resultado com Títulos e Valores Mobiliários foi diretamente influenciado pelos sucessivos aumentos na taxa Selic, com crescimento de 88,2%, atingindo R$ 11,39 bilhões.

Receitas com tarifas crescem 14,9%

As receitas com prestação de serviços e tarifas bancárias cresceram 14,9% em doze meses e as despesas de pessoal subiram 15,4%. A cobertura dessas despesas pelas receitas secundárias do banco foi de 98,85% em março de 2015.

“A divulgação do balanço financeiro da Caixa torna evidente como ela é uma empresa sólida e altamente lucrativa. E é preciso que a Caixa continue 100% pública para que possa continuar desempenhando seu importante papel na execução de políticas públicas. Mas não podemos permitir que a Caixa continue lucrando às custas da pressão sobre os bancários, com sobrecarga de trabalho e imposição de metas. É necessário aliar crescimento e lucratividade com desenvolvimento social, qualidade de vida e de trabalho para os empregados”, enfatiza a diretoria do Sindibancários/ES, Rita Lima.

Com informações da Contraf.

Imprima
Imprimir