Caixa aumenta pressão contra empregados criando grupos de whatsapp para cobrança de metas

A medida descumpre a cláusula 36ª da Convenção Coletiva de Trabalho Caixa Econômica parece ignorar a regra de monitoramente de resultados prevista na Convenção Coletiva de Trabalho da categoria. O banco tem criado grupos de whatsapp para intensificar a cobrança de metas, embora seja vedada ao gestor a cobrança de resultados por mensagens de telefone, […]

A medida descumpre a cláusula 36ª da Convenção Coletiva de Trabalho

Caixa Econômica parece ignorar a regra de monitoramente de resultados prevista na Convenção Coletiva de Trabalho da categoria. O banco tem criado grupos de whatsapp para intensificar a cobrança de metas, embora seja vedada ao gestor a cobrança de resultados por mensagens de telefone, por qualquer meio, seja por mensagens sms ou por rede social.

Segundo a Caixa, os grupos são para repassar as orientações do banco. Contudo, a ferramenta permite que mensagens de trabalho sejam enviadas pelos gestores durante todo o dia, mesmo fora do expediente ou nos fins de semana, atingindo também empregados afastados do trabalho ou de férias.

“Apesar das redes sociais fazerem parte do nosso dia a dia, elas não podem ser utilizadas como ferramenta de pressão, mesmo que corriqueiramente. O uso das redes sociais no celular faz com que os gestores troquem informações e façam cobranças sobre o trabalho a qualquer hora do dia ou da noite, o que é ainda mais greve. É importante que os bancários denunciem essa prática para que o Sindicato tome as providências cabíveis”, destaca Lizandre Borges, diretora do Sindicato dos Bancários/ES.

 A cláusula 36º da CCT, que proíbe o envio desse tipo de mensagem, foi atualizada após a Campanha Nacional 2014, proibindo qualquer tipo de mensagem via celular. O texto anterior proibia apenas o envio de torpedos. A atualização aconteceu justamente para prevenir que os gestores fizessem a cobrança de metas se utilizando de outros meios, como as redes sociais para telefones móveis.

 

Imprima
Imprimir