Caixa divulga aumento do lucro, mas mantém política de exploração

A Caixa divulgou nesta quinta-feira, 13, o balanço do último trimestre do ano, que aponta lucro líquido de R$ 1,9 bilhão, alta de 1% sobre o trimestre anterior e de 1,7% em relação ao mesmo período do ano passado. Somente nos últimos 12 meses, o retorno sobre o patrimônio líquido médio atingiu 17,8%. Apesar do […]

A Caixa divulgou nesta quinta-feira, 13, o balanço do último trimestre do ano, que aponta lucro líquido de R$ 1,9 bilhão, alta de 1% sobre o trimestre anterior e de 1,7% em relação ao mesmo período do ano passado. Somente nos últimos 12 meses, o retorno sobre o patrimônio líquido médio atingiu 17,8%. Apesar do crescimento das receitas do Banco, o lucro da Caixa é fundamentalmente resultado da exploração dos bancários e bancárias, que são submetidos a uma exaustiva jornada de trabalho. 

Mesmo com alguns avanços conquistados na Campanha Salarial, a categoria ainda é submetida a condições de trabalho inadequadas e tem sua jornada de trabalho de seis horas desrespeitada. “Mais uma vez, no terceiro trimestre do ano a Caixa divulga aumento do lucro. Sabemos que a Caixa lucra em cima da precarização do trabalho, abrindo agências com o mínimo de bancários necessário e com a extensão absurda da jornada de trabalho, jogando por terra o direito às seis horas”, enfatiza a diretora do Sindibancários/ES e bancária da Caixa, Lizandre Borges. 

Segundo o balanço, o lucro do Banco de janeiro a setembro deste ano foi de R$ 5,3 bilhões, 5,6% a mais que no mesmo período do ano passado. Mesmo com recurso disponível e com autorização para contratar mais funcionários, a Caixa amplia o número de funcionários de forma muito lenta e ineficiente. Com poucas contratações, a Caixa não atende a demanda atual por mais bancários, para que seja possível executar todas as tarefas que o Banco assume dentro do mercado e com as políticas públicas do governo.

Aumento das receitas

Segundo o Banco, o lucro até setembro decorreu, principalmente, do aumento de 44,4% nas receitas financeiras de crédito e de 47,8% no resultado de títulos e valores mobiliários. No terceiro trimestre, a carteira de crédito ampliada chegou a R$ 576,4 bilhões, sendo R$ 320,6 bilhões do segmento habitacional. Somente no âmbito do Minha Casa Minha Vida, foram contratados R$ 25,8 bilhões, no total de 321,6 mil unidades, sendo 34,7% destinados a beneficiários com renda de até R$ 1,6 mil. Também de janeiro a setembro, foram contratados R$ 20,7 bilhões em operações de saneamento e infraestrutura. A carteira de crédito comercial atingiu saldo de R$ 187 bilhões, e a Caixa ainda contratou R$3,4 bilhões em crédito rural.

Com informações da Fenae.

Imprima
Imprimir