Caixa endurece na negociação e propõe acordo sem conquistas significativas

Terminou há pouco a negociação específica com a Caixa Econômica Federal iniciada na tarde deste domingo, 25, em São Paulo. A proposta do banco inclui aplicação do reajuste de 10% para salários, PLR e piso, 14% para os vales refeição e alimentação e PLR adicional de 4% do lucro, distribuída igualmente. Contudo, as principais reivindicações […]

Terminou há pouco a negociação específica com a Caixa Econômica Federal iniciada na tarde deste domingo, 25, em São Paulo. A proposta do banco inclui aplicação do reajuste de 10% para salários, PLR e piso, 14% para os vales refeição e alimentação e PLR adicional de 4% do lucro, distribuída igualmente. Contudo, as principais reivindicações da categoria, como contratações de mais empregados, fim do GDP e isonomia, foram negadas.

“Por mais um ano, a Caixa, comandada pela política de Dilma (PT) e Levy, ignora os problemas de condições de trabalho que atingem seus empregados. O ganho real da Fenaban é irrisório; a isonomia, pauta histórica da minuta específica, sequer foi considerada. Além disso, o banco negou textualmente a contratação de mais empregados, mantendo a situação de carência de pessoal nas unidades, que constitui hoje o grande gargalo da categoria”, diz Rita Lima, diretora do Sindibancários/ES e empregada da Caixa.

Constam ainda na proposta da Caixa a suspensão da terceira onda do programa de Gestão de Desempenho de Pessoas (GDP), o fim dos 15 minutos de pausa para mulheres antecedendo a jornada extraordinária (em localidades onde não existem ações judiciais), o retorno do adiantamento odontológico (a partir de janeiro de 2016) e a promoção por mérito para 2017 no Plano de Carreira.

Sobre o GDP, ponto importante da pauta específica, Lizandre Borges, também diretora do Sindibancários/ES, salienta que a proposta é insuficiente. “Nossa reivindicação é pelo fim do GDP. A Caixa, como banco público, não pode ter um programa que institucionaliza a cobrança de metas individuais, rotula empregados e cria remuneração variável”.

Em votação dividida, o Comando Nacional dos Bancários orientou a aprovação do Acordo. A proposta teve posição contrária do Sindicato dos Bancários/ES, mas foi aprovada pela maioria cutista. “A proposta não atende às expectativas dos empregados da Caixa. Agora vamos à assembleia, avaliar e discutir coletivamente os rumos do nosso movimento. Na segunda-feira a greve continua. É importante que todos compareçam à assembleia geral”, diz Jessé Alvarenga, coordenador geral do Sindibancários/ES, que integra o Comando Nacional pela Intersindical.

Veja nota do Sindibancários/ES sobre o resultado das negociações nacionais

Principais propostas específicas da Caixa:

Reajuste Salarial – A Caixa aplicará reajuste de 10% nos salários e pisos, mesmo percentual definido na mesa da Fenaban. Assim como, os 14% de reajuste nos vales refeição, alimentação e 13ª cesta.

Participação nos Lucros e Resultados (PLR)

PLR Regra Fenaban

I – Regra Básica

90% da remuneração base ajustada em setembro de 2015, acrescido do valor fixo de R$ 2.021,79, limitado a R$ 10.845,92, de acordo com as regras estabelecidas em Acordo Coletivo de Trabalho (ACT).

II – Parcela Adicional

2,2% do lucro líquido apurado no exercício de 2015, distribuído igualmente para todos os empregados elegíveis, de acordo com as regras estabelecidas em ACT.

PLR adicional da Caixa

4% do lucro líquido no exercício de 2015, distribuído igualmente para todos os empregados elegíveis, de acordo com as regras estabelecidas em ACT.

PLR Parcela Complementar

A Caixa garantirá no mínimo uma remuneração base a todos os empregados, ainda que a soma da PLR Fenaban e PLR adicional não atinja este limite.

Antecipação da PLR

60% do valor total da PLR devida, a ser paga em até 10 dias após assinatura do ACT.

Horas extras – Manutenção da cláusula referente à prorrogação da jornada de trabalho, assegurando-se o pagamento, com adicional de 50% sobre o valor da hora normal, ou a compensação das horas extraordinárias, realizadas na proporção de 1 hora realizada para 1 hora compensada e igual fração de minutos e pagamento de 100% das horas extras realizadas em agências com até 20 (vinte) empregados.

Incentivo à elevação da escolaridade – Serão oferecidas 1600 bolsas de incentivo à elevação da escolaridade, na seguinte forma: até 300 para graduação, até 500 para pós-graduação e até 800 para idiomas.

Ausências permitidas – Para efeito de ausência permitida para levar cônjuge, companheiro(a), pai, mãe, filho(a), enteado(a) ou dependente menor de 18 anos, ao médico.  A Caixa propõe alterar de até 2 dias, para 12 ou 16 horas, conforme a jornada do empregado, de 6 ou 8 horas.

Promoção por mérito –  ano base 2016 – Realizará sistemática avaliação em 2016, para promoção por mérito em 2017, referente ao ano base de 2016, dos empregados ativos em 31.12.2016, com, no mínimo, 180 dias de efetivo exercício em 2016

Comissões de Conciliação – A Caixa se compromete a renovar a assinatura do ACT que regulamenta a Comissão de Conciliação por ocasião do seu vencimento.

Além da manutenção dos temas Jornada de Trabalho e Auxílio-Alimentação, terá a inclusão do tema Natureza Salarial do Auxílio-Alimentação, dentre os assuntos passíveis a serem conciliados, a partir de janeiro de 2016.

Imprima
Imprimir