Caixa mantém postura intransigente e nega novas contratações

Em reposta apresentada ao Ministério Público do Trabalho (MPT), a Caixa reafirmou que não irá realizar novas contratações. O banco alegou que a mudança no cenário econômico obrigou a revisão do planejamento estratégico e, de forma distorcida, afirmou que o Acordo Coletivo de Trabalho 2014/2015 não previa ampliação do quadro de empregados. Com crescimento de […]

Em reposta apresentada ao Ministério Público do Trabalho (MPT), a Caixa reafirmou que não irá realizar novas contratações. O banco alegou que a mudança no cenário econômico obrigou a revisão do planejamento estratégico e, de forma distorcida, afirmou que o Acordo Coletivo de Trabalho 2014/2015 não previa ampliação do quadro de empregados. Com crescimento de 60% no lucro, no entanto, a Caixa não tem motivos para manter essa postura intransigente.

O documento protocolado pela Caixa no MPT foi em resposta à solicitação do procurador Carlos Eduardo Brisolla, da Procuradoria Regional do Trabalho da 10ª Região. No dia 5 de novembro, foi concedido prazo de 20 dias para que o banco apresentasse um cronograma de contratação dos aprovados no concurso público de 2014 ou um estudo que dimensionasse as admissões a serem feitas até dezembro deste ano ou até junho de 2016.

Em um dos trechos do documento apresentado ao MPT, a Caixa diz que “a convocação dos aprovados ocorre de acordo com a disponibilidade orçamentária e necessidades estratégicas”. Em outro, afirma que “a vontade das partes ao assinar tal cláusula (50) do ACT 2014/2015, consistia em admitir 2.000 candidatos aprovados em concurso público e não em aumentar o quadro em mais 2.000 além do quantitativo já existe em agosto/2014”. O procurador Brisolla ainda irá da o parecer sobre o documento.

Com esse posicionamento, a Caixa e mostra que manterá uma gestão focada no lucro, mesmo que isso custe a saúde dos trabalhadores. “A recusa da Caixa em contratar mais funcionários evidencia que a instituição financeira não leva em consideração aquilo que os trabalhadores denunciam há tempos, que são as consequências drásticas do número reduzido de funcionários para a saúde dos bancários e bancárias. A falta de empregados tem feito com que eles tenham sobrecarga de trabalho, gerando diversas doenças ocupacionais”, afirma a diretora do Sindicato dos Bancários/ES, Lizandre Borges.

Clique aqui e confira o documento protocolado pela Caixa.

#MaisEmpregadosJá

Mesmo após a intervenção inicial do Ministério Público do Trabalho, a Caixa mantém uma postura intransigente. Por isso, é preciso ampliar a luta e a mobilização da categoria para garantir a contratação de mais bancários.

Em 2014, a Caixa realizou um dos maiores concursos públicos da história. Foram quase 1,2 milhão de inscritos, dos quais 32.879 foram aprovados. Até o momento, apenas 3.182 foram convocados (9,67% do total) e apenas 2.482 admitidos (7,54% do total). Neste ano não houve uma convocação sequer em fevereiro, março, julho, agosto, setembro e outubro. Enquanto isso, a falta de empregados prejudica a todos. Trabalhadores estão sobrecarregados e, consequentemente, adoecendo mais. Clientes e usuários sofrem a demora no atendimento.

Com informações da Agência Fenae.

Imprima
Imprimir

Comentários