Coletivo de Mulheres do Sindibancários/ES realiza Chá de Conversa Itinerante

O Coletivo de Mulheres do Sindicato dos Bancários/ES deu início às atividades de 2016 com o Chá de Conversa Itinerante, cujo tema foi “Relações de Gênero”. Realizado no Bradesco do Centro de Vitória, o Chá de Conversa começou com a exibição de uma animação chamada “Um Sonho Impossível”, que aborda a questão da desigualdade entre […]

O Coletivo de Mulheres do Sindicato dos Bancários/ES deu início às atividades de 2016 com o Chá de Conversa Itinerante, cujo tema foi “Relações de Gênero”. Realizado no Bradesco do Centro de Vitória, o Chá de Conversa começou com a exibição de uma animação chamada “Um Sonho Impossível”, que aborda a questão da desigualdade entre os sexos, por exemplo, a dupla jornada de trabalho feminina, a educação sexista dada aos meninos e meninas e a precarização da mulher no mercado de trabalho. Após a exibição foi realizado um bate papo.

A realização desse tipo de atividade nas agências bancárias é uma forma de levar os debates realizados pelo Sindicato para o ambiente de trabalho. “Debater os temas relacionados a questões de gênero é uma forma da gente lutar para transformar em política o que dizem ser um problema de casa. Quando reivindicamos creche, estamos lutando por política pública. Quando reivindicamos delegacias para a mulher, queremos políticas públicas. E o que isso tem a ver com o Sindicato? O Sindicato quer uma sociedade mais justa e igualitária. Por isso, se preocupa em colocar em sua pauta essas reflexões”, afirma

Segundo a bancária Luana Esteves a animação serviu para desnaturalizar a ideia de que os afazeres domésticos são responsabilidade exclusiva da mulher. “Ele traz a reflexão sobre a necessidade da participação dos homens no cotidiano da mulher, que é estressante por causa das inúmeras responsabilidades atribuídas a ela, como trabalho, filhos”, afirma.

A atividade não foi restrita às mulheres. O bancário Rafael Mendes Correa foi um dos homens que participaram. “O Sindicato é um alicerce que a gente tem, um apoio que todo funcionário precisa. Acho importante participar dos debates proporcionados por ele. Todo debate é válido, independente do assunto ser voltado especificamente para o lado profissional ou não”, diz Rafael, que é recém casado. “Acabei de me casar e na minha vida conjugal busco colocar em prática a divisão de tarefas domésticas. Faço isso porque meu pai fazia. Essa é uma prova de que exemplo é tudo”, destaca o bancário.

Imprima
Imprimir

Comentários