Comissão de empregados cobra resposta da Caixa sobre possibilidade de reestruturação das GIRETs

Diante de rumores de que existe a possibilidade de reestruturação das Gerências de Filial de Retaguarda de Agência (GIRETs), a Comissão Executiva dos Empregados da Caixa cobrou esclarecimentos sobre o assunto em ofício enviado para a Gerência Nacional de Informações Corporativas e Negociação Coletiva (GEING). Essas mudanças afetariam diretamente os tesoureiros, que passariam a estar […]

Diante de rumores de que existe a possibilidade de reestruturação das Gerências de Filial de Retaguarda de Agência (GIRETs), a Comissão Executiva dos Empregados da Caixa cobrou esclarecimentos sobre o assunto em ofício enviado para a Gerência Nacional de Informações Corporativas e Negociação Coletiva (GEING). Essas mudanças afetariam diretamente os tesoureiros, que passariam a estar vinculados às agências.

“Esses rumores circulam há bastante. Esperamos que a GEING responda ao ofício, pois os trabalhadores e trabalhadoras, que já tem um cotidiano marcado por sobrecarga de trabalho, assédio moral e outros problemas, ficam apreensivos com a falta de informação precisa sobre uma possível mudança que pode modificar completamente sua rotina de trabalho. E vale lembrar que essa modificação pode ser para pior, pois estando vinculados às agencias, os tesoureiros podem passar a receber diversos tipos de pressão, como cobrança por metas e assédio”, afirma a diretora do Sindicato dos Bancários/ES, Lizandre Borges.

No documento enviado à Caixa, a Comissão Executiva dos Empregados também cobra o cumprimento da cláusula 56 do ACT 2014/2015, renovada na cláusula 55 do ACT 2015/2016, que determina que “a Caixa apresentará na mesa permanente de negociação um plano de ação para resolução definitiva das situações apontadas sobre saúde, segurança e condições de trabalho do Tesoureiro Executivo”.

Imprima
Imprimir

Comentários