Conferência: capixabas discutem sustentabilidade da Cassi

A sustentabilidade da Cassi e a necessidade de avançar na implantação total do Modelo de Atenção Integral à Saúde foram os temas em destaque na VIII Conferência Estadual de Saúde da Cassi, realizada na noite da última sexta-feira, 12, em Vitória. O evento lotou o auditório da Gepes. A assistente social da CliniCassi Vitória Ivana […]

A sustentabilidade da Cassi e a necessidade de avançar na implantação total do Modelo de Atenção Integral à Saúde foram os temas em destaque na VIII Conferência Estadual de Saúde da Cassi, realizada na noite da última sexta-feira, 12, em Vitória. O evento lotou o auditório da Gepes.

A assistente social da CliniCassi Vitória Ivana Coutinho Medeiros Zon falou sobre o Programa de Saúde Mental da Cassi. Ela fez um histórico do Modelo de Atenção Integral à Saúde, implantado na reforma estatutária da Cassi realizada em 1996, quando o foco passou a ser a promoção da saúde e teve, como desdobramento, a criação da Estratégia Saúde da Família (ESF).  

No que diz respeito ao Programa de Saúde Mental, Ivana Zon afirmou que a depressão e os transtornos de ansiedade são os casos mais prevalentes na Cassi/ES. A incidência é maior na população cadastrada na ESF (13%) se comparada à prevalência na população capixaba (27%). Entre os fatores que podem justificar essa concentração de casos está o fato de que para ser atendido no Programa a pessoa tem que estar cadastrado na ESF. Mas também há fatores relacionados ao ambiente de trabalho, a conflitos familiares e à crise econômica que levam ao adoecimento, segundo a assistente social. A maioria dos adoecidos são titulares do plano de saúde, ou seja, funcionários do BB ativos ou aposentados, e do sexo feminino.

Sustentabilidade da Cassi

Na palestra sobre sustentabilidade da Cassi, o diretor de Saúde e Rede de Atendimento da Caixa de Assistência, Willian Mendes de Oliveira, falou sobre a proposta apresentada pelos diretores eleitos de aportes extraordinários por parte do Banco do Brasil em 2015 e 2016 para que seja concluída a implantação do Modelo de Atenção Integral à Saúde, paralisado em cerca de 40% do seu total desde 2007. A proposta também prevê medidas na área de regulação e na gestão da rede de prestadores de serviços de saúde. Segundo o diretor da Cassi, a previsão é que com essas medidas os resultados já apareçam a partir de 2017.

Willian Mendes de Oliveira também se manifestou contrário à proposta do Banco do Brasil de transferência para a Cassi de R$ 5,8 bilhões que estão provisionados no balanço do BB como compromisso com o pós-laboral, ou seja, com os aposentados. “O banco está propondo transferir a responsabilidade do risco que ele tem com o pós-laboral para o Plano de Associados. Qualquer diferença que der no futuro terá que ser rateada só entre nós”, criticou. Ele também acrescentou: “É importante não quebrar o modelo de solidariedade que norteou a criação da Cassi”.

Conselho de Usuários

 C  5881Durante a Conferência foram empossados os novos membros do Conselho de Usuários da Cassi para o período de 2015 a 2017. Thiago Duda é o representante do Sindicato dos Bancários/ES no Conselho. 

Imprima
Imprimir