Contraf discute cobrança de metas com direção do BB

Na última quinta-feira, 4, a Contraf assessorada pela Comissão de Empresa dos Funcionários do Banco do Brasil realizou, em Brasília, a primeira Mesa Temática Sobre Forma de Cobrança de Metas com a direção do BB. Os assuntos mais discutidos foram em torno das cobranças excessivas dos bancos feitas principalmente por meio de SMS e mensagens […]

Na última quinta-feira, 4, a Contraf assessorada pela Comissão de Empresa dos Funcionários do Banco do Brasil realizou, em Brasília, a primeira Mesa Temática Sobre Forma de Cobrança de Metas com a direção do BB.

Os assuntos mais discutidos foram em torno das cobranças excessivas dos bancos feitas principalmente por meio de SMS e mensagens pelo aplicativo WhatsApp.

Outros problemas quanto a cobrança excessiva também entraram em discussão como as metas na Gestão de Desempenho Profissional (GDP) e os chamados “desafios diários”, sob os quais bancários e bancárias estão submetidos no ambiente de trabalho.

O excesso das cobranças de metas tem causado adoecimento físico e psicológico aos trabalhadores e trabalhadoras que diariamente estão expostos a estas condições indignas dentro das agências bancárias.

A diretora do Sindicato dos Bancários/ES Goretti Barone comenta sobre o processo de lentidão por parte do banco de se resolver esses problemas pautados. “Foi importante a reunião. Esses problemas denunciados precisam mesmo serem discutidos, pois vem se repetindo e estão adoecendo os trabalhadores. O que vemos é uma morosidade por parte do banco. Precisamos que sejam mais ágeis”, finaliza Goretti.

A Contraf cobrou ainda as novas contratações acordadas na Campanha 2014. O banco apresentou o número de 956 novas convocações com um total de 304 posses e explicou que a maioria ainda está em fase de documentação para ser empossada.

Continuidade da mesa

Os funcionários e o BB acertaram que a Mesa Sobre Cobrança de Metas continuará em março de 2015 para a ampliação do debate interno do banco com as questões apresentadas e também para ampliar o debate dos sindicatos com os trabalhadores nos locais de trabalho.

Com informações da Contraf

Imprima
Imprimir