Delegados sindicais da Caixa definem estratégia de mobilização para Campanha Salarial

Os delegados e delegadas sindicais da Caixa se reuniram nesta quinta-feira, 14, no Sindicato dos Bancários/ES, para debater a Campanha Salarial e as questões de condições de trabalho da categoria. Após um dia inteiro de atividades, eles definiram as estratégias de mobilização para avançar nas lutas dos empregados da Caixa. Entre as propostas estabelecidas está […]

Os delegados e delegadas sindicais da Caixa se reuniram nesta quinta-feira, 14, no Sindicato dos Bancários/ES, para debater a Campanha Salarial e as questões de condições de trabalho da categoria. Após um dia inteiro de atividades, eles definiram as estratégias de mobilização para avançar nas lutas dos empregados da Caixa.

Entre as propostas estabelecidas está a realização de reuniões nas unidades bancárias para ampliar a participação e a mobilização dos empregados em todo o Estado. O objetivo é fortalecer o movimento para garantir a conquista das reivindicações da categoria.

Durante o encontro foi feito um resgate das reivindicações da Campanha Nacional, que engloba os bancos públicos e privados, e da campanha específica, cuja pauta foi construída no Congresso Nacional dos Empregados da Caixa (Conecef).

O bancário Nubio Revoredo é delegado sindical pela primeira vez e, para ele, a confiança transmitida pelo Sindicato o motivou a participar do movimento. “Trabalho na Caixa há 12 anos e estou há três meses no Espírito Santo. Apesar do tempo que estou na Caixa, somente agora me candidatei a delegado sindical, pois aqui no Estado senti um clima de compromisso em torno das nossas causas, o que faz a gente acreditar que é possível alcançar as conquistas que esperamos”, afirma Nubio.

Durante a leitura da minuta geral, a diretora do Sindibancários/ES, Rita Lima, destacou que esse é momento de mobilização da categoria para garantir conquistas na negociação de toda a pauta. “Apesar do índice aprovado no Congresso Nacional dos Bancários não ter sido o ideal, temos que nos unir para garantir que nossas reivindicações sejam atendidas. Nossa luta é pelo fim do assédio moral, por melhores condições de trabalho, fim das metas, entre outras demandas da categoria”, afirma Rita.

EDS Site 750 II

Imprima
Imprimir