Deputados são abordados no aeroporto em mobilização contra o PL 4330

Dirigentes sindicais de diversas entidades, dentre elas o Sindibancários/ES, madrugaram na manhã desta quarta-feira, 22, no aeroporto de Vitória para abordar deputados federais capixabas que embarcavam para Brasília para participar da votação do PL 4330. Representando trabalhadores de várias categorias, do campo e da cidade, eles pediram aos legisladores que revejam seu posicionamento e votem […]

Dirigentes sindicais de diversas entidades, dentre elas o Sindibancários/ES, madrugaram na manhã desta quarta-feira, 22, no aeroporto de Vitória para abordar deputados federais capixabas que embarcavam para Brasília para participar da votação do PL 4330. Representando trabalhadores de várias categorias, do campo e da cidade, eles pediram aos legisladores que revejam seu posicionamento e votem a favor do arquivamento definitivo desse projeto, que impõe a terceirização irrestrita no Brasil e a perda de direitos trabalhistas.

Nesta quarta, serão votadas na Câmara dos Deputados 12 emendas propostas ao projeto, dentre elas a que proíbe a terceirização das atividades-fim e a que impõe a responsabilidade solidária da empresa contratante. Os deputados se comprometeram a analisar, junto com a bancada de seus partidos, o pedido dos manifestantes.

“Nossa presença no aeroporto foi muito importante, porque os deputados e senadores já começam a sentir a pressão da sociedade e dos trabalhadores. Aqueles que votaram a favor do projeto, que foram sete no total, se comprometeram a analisar as reivindicações que fizemos, tendo em vista as graves consequências que podem atingir os trabalhadores se o projeto virar lei. É preciso manter nossa mobilização para barrar esse projeto que precariza as contratações e as condições de trabalho”, enfatizou o diretor do Sindibancários/ES, Carlos Pereira de Araújo (Carlão).

Mobilização

Após abordagem dos deputados no aeroporto, o grupo realizou uma ação em frente à Ufes, com a distribuição de panfletos sobre o que é o PL 4330 e quais são seus impactos para os trabalhadores. A ação também foi realizada em frente à Assembleia Legislativa, às 12 horas. O dia de mobilização termina com uma aula sobre o que é terceirização, com a participação de advogados trabalhistas, às 17 horas, na Praça Oito, no Centro de Vitória.

Ação na ufes

Sindicalistas panfletam na Ufes, em Goiabeiras 

Tuitaço

O protesto contra o PL 4330 também está nas redes. Nesta quarta-feira, 22, diversas entidades promovem um tuitaço e facebucaço contra o projeto de lei que precariza o trabalho através da terceirização. Participe também! Diga não à precarização! Use as hashtags ‪#‎NãoAoPL4330‬ e #precarizanão e participe do movimento pelas redes sociais.

Por que o trabalhador será afetado?

O PL 4330 apresenta vários pontos polêmicos e o principal deles é terceirização na atividade-fim, hoje proibida no Brasil. As centrais sindicais e maior parte do Judiciário trabalhista entende que, se aprovada, a medida abrirá brechas para que as empresas possam substituir trabalhadores contratados diretamente por terceirizados com a redução de salários e benefícios.

Outro item é a responsabilidade solidária. O texto do PL 4330 determina que, em caso de calotes das terceirizadas, a empresa tomadora de serviço somente arcará com as dívidas trabalhistas se comprovada a ausência de fiscalização. Com isso, o trabalhador somente acionaria a companhia principal após esgotados todos os recursos de cobrança contra a terceirizada. A reivindicação dos trabalhadores é que a responsabilidade seja solidária para que a cobrança possa ser feita diretamente à empresa principal.

Imprima
Imprimir

Comentários