Dia de luta mobiliza capixabas contra a PEC 241

Entidades sindicais se reuniram nesta manhã em ato público contra a retirada de direitos pelo governo de Temer e rumo à greve geral

Foto: Sérgio Cardoso

Foto: Sérgio Cardoso

Trabalhadores de diversas categorias realizaram na manhã desta segunda-feira, 24, o ato público Rumo à Greve Geral – Contra a PEC 241 e a Retirada de Direitos. A atividade teve início em frente à sede do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), no bairro Belo Monte, Vitória, de onde os trabalhadores saíram caminhando em direção à Secretaria Estadual de Educação (Sedu).

O INSS foi escolhido como ponto de partida para dialogar com a população sobre os ataques à previdência social pretendidas com a Reforma da Previdência de Temer. Entre as mudanças indicadas pelo governo estão o estabelecimento da idade mínima de 65 anos para aposentadoria de homens e mulheres e a desvinculação do valor dos benefícios previdenciários do salário mínimo, para achatar ainda mais as aposentadorias e pensões.

“Não há preocupação do governo com a aposentadoria. O discurso é que precisam fazer o ajuste fiscal para não quebrar a previdência, mas isso é uma mentira. O real motivo é dar continuidade à transferência de recursos públicos, arrecadados com os impostos pagos pelo povo, para o capital privado, para os banqueiros e latifundiários, através do que chamamos de Sistema da Dívida Pública”, explica Lujan Miranda, que integra o Núcleo Capixaba da Auditoria Cidadã da Dívida.

Só em 2015, 42,43% do Orçamento Geral da União foi utilizado para o pagamento de juros e amortizações da Dívida Pública brasileira, ao invés de ser investido em políticas de saúde, educação, moradia e desenvolvimento.

Greve geral

O ato seguiu uma agenda de luta nacional em preparação para uma greve geral que vem sendo construída pelos trabalhadores, como explicou o diretor do Sindibancários/ES, Carlos Pereira de Araújo (Carlão).

“Essa atividade é parte de um processo de mobilização para debater com a sociedade os riscos da PEC 241 e dos demais projetos em curso. A ordem do golpista Temer é aprofundar os cortes na saúde, na educação e mudar o modelo de contratação para precarizar as relações de trabalho. O projeto de Temer é o projeto das elites econômicas, do capital financeiro, e nós vamos continuar resistindo para construir uma grande greve geral no país, que mobilize os principais setores da sociedade”, disse Carlão.

PEC terá votação em segundo turno

A Proposta de Emenda Complementar 241, ou a PEC do fim do mundo, como foi apelidada pelos movimentos sociais, deve ser votada em segundo turno nesta terça-feira, 25, na Câmara Federal. Se aprovada, os investimentos públicos em políticas sociais ficarão congelados por 20 anos, condenando à morte as políticas públicas de saúde, educação, assistência social, entre outras vitais para a população.

Para ser aprovada, são necessários 308 votos a favor, dos 513 deputados federais. O primeiro turno da votação ocorreu no último dia 10, quando a proposta teve 366 votos favoráveis e 111 contrários.

Dos dez parlamentares capixabas na Câmara, 6 foram favoráveis aos projeto: Carlos Manato (Solidariedade); Dr. Jorge Silva (PHS); Evair de Melo (PV); Lelo Coimbra (PMDB); Marcus Vicente (PP); Paulo Foletto (PSB).Os deputados Helder Salomão (PT) e Givaldo Vieira (PT) foram os únicos capixabas a votar contra a proposta.  Os deputados Sérgio Vidigal e Max Filho estavam licenciados para a disputa eleitoral municipal.

Na noite desta segunda, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), em parceria com o golpista Temer (PMDB), oferecem para a base aliada um jantar para garantir os votos favoráveis à PEC. “Agora jantar virou uma nova modalidade de compra de votos”, denuncia Laureni França, professor que compõe a Frente Estadual em Defesa da Previdência Social, dos Direitos Trabalhistas e do Serviço Público.

Luta pela educação

Ato foi finalizado na Secretaria Estadual de Educação (Sedu), que recebeu os manifestantes de portões fechados. Mesmo assim, os trabalhadores deram seu recado em solidariedade à luta dos estudantes de todo o país, ocupados contra a PEC 241 e a reforma do Ensino Médio.

“Os estudantes estão dando um exemplo pedagógico de mobilização e mostrando a força dessa juventude. A luta pela educação é de todos nós, e caminharemos juntos”, disse Carlão, diretor do Sindibancários/ES.

A partir das 14 horas será realizado um ato dos estudantes secundaristas de todo o Estado em defesa da educação pública. A concentração será no IFES de Jucutuquara, com marcha que seguirá até o Palácio Anchieta.

Ocupação na escola Polivalente Maria Penedo, em Cariacica (Foto: Mídia Ninja)

Ocupação na escola Polivalente Maria Penedo, em Cariacica (Foto: Mídia Ninja)

Ao todo, são mais de mil escolas ocupadas em todo o Brasil. No Espírito Santo, são pelo menos seis escolas ocupadas: Escola Estadual Professor Agenor Roris, em Vila Velha; Escola Estadual Almirante Barroso, em Vitória; Polivalente Maria Penedo, em Cariacica; e Instituto Federal do Espírito Santo, unidades Cachoeiro de Itapemirim, São Mateus e Ibatiba.

Imprima
Imprimir