Em Congresso Estadual, bancários da Caixa aprovam pauta de reivindicações para Campanha 2015

Reunidos no Congresso Estadual da categoria, bancários e bancárias da Caixa discutiram nesta quinta-feira, 28,  a pauta de reivindicações específica para a Campanha Salarial 2015. Realizado no Centro de Treinamento Dom João Batista, em Vitória, o Congresso também foi espaço de debate sobre as estratégias de defesa para a manutenção da Caixa 100% pública e […]

Reunidos no Congresso Estadual da categoria, bancários e bancárias da Caixa discutiram nesta quinta-feira, 28,  a pauta de reivindicações específica para a Campanha Salarial 2015. Realizado no Centro de Treinamento Dom João Batista, em Vitória, o Congresso também foi espaço de debate sobre as estratégias de defesa para a manutenção da Caixa 100% pública e para a eleição dos delegados para a 31 Conferência Nacional dos Empregados da Caixa (Conecef), que será realizado nos dias 12, 13 e 14 de junho, em São Paulo.  

Na parte da manhã, o painel “O papel social da Caixa. Por um banco 100% público” abriu as atividades do Congresso. A criação dos correspondentes bancários, o não pagamento dos bancários em substituição de confiança e a manutenção do alto déficit de funcionários são algumas das principais medidas adotadas pelo governo para enfraquecer a Caixa.

“Defender a Caixa é defender o Brasil, é defender que o Estado cumpra sua responsabilidade social. Depois do Bradesco, a Caixa é o banco que tem a maior rede de atendimento do país, além de ser responsável pelos programas sociais do governo e pela gestão do FGTS. Com esse importante papel, a Caixa desperta muito interesse do capital privado. Por isso, é essencial manter a luta em defesa da Caixa 100% pública, garantindo inclusive que a Caixa não abra mão da sua parcela majoritária na Caixa Seguros”, destacou a diretora do Sindibancários/ES Rita Lima, que coordenou o painel.

Fim do GDP

O fim do Programa de Gestão de Desempenho de Pessoa (GDP) também foi abordado durante o Congresso. Bancário há sete anos, Marcos Santolin falou sobre como a disputa entre os bancários é estimulada dentro do banco.

“É a segunda vez que participo do Congresso e acho importante estar presente porque esses debates abrem nossa mente. Apenas quando participamos de espaços como esse,  entendemos o que está acontecendo no contexto econômico do país e no ambiente da Caixa. Com o GDP, por exemplo, recebemos um comunicado com a divisão das agências em dois times: Rio Branco e Desportiva. As agências que batessem a meta ganhariam uma camisa oficial do time. Essa é a gestão de desempenho da Caixa, um total desrespeito com os bancários”, enfatizou.

Para a bancária aposentada Bernadeth Martins, a imposição de um modelo de gestão vinculado à política do mercado está cada vez mais presente na da Caixa. “Estou aposentada há três anos, mas parece que esse modelo de estimular a disputa entre os bancários apenas se acirrou. Penso que nosso desafio  é agregar os mais jovens, criando organização no seu local de trabalho”.

Pauta de reivindicação

Na parte da tarde, os bancários aprovaram a pauta de reivindicação da categoria que será encaminhada para a 31º Conecef. Dentre as reivindicações aprovadas estão: o fim das metas; permanência dos vigilantes nas agências enquanto houver bancários trabalhando e na agência em obras; ATS e licença prêmio para todos;  fim dos correspondentes bancários; garantia de delta linear; manutenção da Caixa 100% pública, dentre outras.

Debate

A avaliação da Campanha Salarial 2014 e o debate sobre a minuta de reivindicações deste ano contou com a participação do membro da CEE-Caixa, Genésio Cardoso.

“Abrir o capital da Caixa é golpe. Não foi esse projeto que elegemos. O projeto de abertura do capital foi um projeto derrotado nas urnas. Todos aqueles que têm um compromisso com a luta dos trabalhadores e com as classes menos favorecidas defendem a Caixa como 100% pública. Nós perdemos a confiança no governo que elegemos em relação à defesa da Caixa.  Estaremos atentos a qualquer investida contra a Caixa e não vamos tolerar que queiram torná-la um Bradesco ou um Banco do Brasil. Nenhum governo pode abrir mão do que é a Caixa Econômica. Nosso papel é defender a Caixa, para que ela continue sendo 100% pública”, destacou Cardoso.

Delegados 

Os bancários também elegeram os delegados capixabas para representar a categoria no 31º Conecef. Confira a delegação de bancários e bancárias eleitos:

Ativos:

Delegadas

Renata rodrigues garcia

Kerley Soares Herculano

Fabíola Rodrigues Garcia

Lizandre Souza Borges

Suplente:

Milene Ferraresi Paulino

Delegados:

Vinicius de Moraes Moreira da Silva

Igor Bongiovani Tavares de Vasconcellos

Giovanni Riccio

Observador

Edmar Martins André

Suplentes

1º André Luiz de Melo e Camargos

2° Núbio La Terza Revoredo

 

Aposentados

Rita de Cássia Santos Lima

João Bosco Teixeira

Álvaro Antônio dos Reis

Maria Bernadeth Vieira Martins

Suplentes:

Ângela Maria Fassina Barone Thebaldi

Reginaldo Barcellos C. de Mello 

Imprima
Imprimir

Comentários