Em dia de luta em defesa da Caixa, Sindicato paralisa Superintendência Regional Norte

A Superintendência ficará paralisada durante todo o dia em protesto contra a possibilidade de transformação da Caixa em uma sociedade anônima.

A Superintendência Regional Norte da Caixa foi paralisada nesta quinta-feira, 07, em virtude da realização de um Dia Nacional de Luta contra a alteração do estatuto da instituição financeira, cuja votação será hoje, na reunião do Conselho de Administração. Entre as propostas de mudança está a transformação do banco em uma sociedade anônima (S/A), o que possibilita a abertura de capital para investimentos privados, tirando o caráter público do banco.

Os trabalhadores e trabalhadoras aderiram à paralisação em defesa da Caixa

Portanto, a transformação da Caixa em sociedade anônima trata-se de um processo de privatização. A diretora do Sindicato dos Bancários/ES Renata Garcia destaca que caso isso realmente aconteça a instituição financeira passará por mudanças significativas em seu papel social, na gestão e no relacionamento com os trabalhadores e trabalhadoras. Isso acontecerá porque o banco deixará de ser 100% público e admitirá novos sócios, que colocarão o lucro sempre em primeiro lugar.

“A Caixa é responsável pela execução de diversas políticas públicas, que, com a transformação em sociedade anônima, deixarão de existir. Com uma busca maior pelo lucro, aumentará a pressão por metas, bem como o adoecimento dos bancários e bancárias e a sobrecarga de trabalho. Também é importante salientar que quando a lucratividade se torna o principal objetivo de um banco, ocorre a segmentação do seu público, ou seja, prioriza-se as pessoas de alta renda, excluindo as camadas populares dos serviços bancários”, explica.

A Superintendência Regional Norte, que ficará fechada durante todo o dia, foi o local escolhido para a realização do Dia Nacional de Luta por ser o centro político e administrativo da gestão da Caixa.

“É importante a participação de todos trabalhadores e trabalhadoras nas mobilizações contra o desmonte da Caixa. Precisamos defender os direitos dos bancários e bancárias e o patrimônio público brasileiro”, diz o diretor do Sindibancários Vinícius Moreira.

Estatuto das Estatais

A transformação da Caixa em sociedade anônima contraria o Estatuto das Estatais, promulgado em junho de 2016, que teve os seguintes ítens retirados após mobilização da classe trabalhadora em todo o país: o que obrigava as empresas públicas a se tornarem S/A e o que tratava da mudança de composição acionária. Trata-se de uma mudança que, para ser realizada, depende de lei específica no Congresso Nacional.

Desmonte em curso

A possibilidade de transformação da Caixa em sociedade anônima é mais um dos muitos ataques contra a instituição financeira. O desmonte do banco está em curso com uma série de ações que visam seu sucateamento, por exemplo, por meio do Programa de Desligamento Voluntário Extraordinário (PDVE), através do qual a Caixa eliminou milhares de postos de trabalho sem que houvesse novas contratações.

Outros exemplos são a extinção de funções, como as de caixa e tesoureiro, e a tentativa de imposição da jornada flexível. Além disso, esta semana foi anunciado o programa Bônus Caixa, que integra o plano de cargos e salários do banco. Ele é considerado um tipo de “remuneração variável” que desvaloriza o salário dos bancários e bancárias.

Imprima
Imprimir