Bancário não é vendedor. Participe do Dia D. Um dia sem vendas e sem metas.

Bancários e bancárias: chegou a hora de pressionar a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) e levantar as bandeiras de luta da categoria! As negociações não avançam e os banqueiros continuam intransigentes. Por isso, conclamos todos os trabalhadores a participarem no dia 11 de setembro do “Dia D”- um dia de atendimento sem vendas, sem assédio […]

Bancários e bancárias: chegou a hora de pressionar a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) e levantar as bandeiras de luta da categoria! As negociações não avançam e os banqueiros continuam intransigentes. Por isso, conclamos todos os trabalhadores a participarem no dia 11 de setembro do “Dia D”- um dia de atendimento sem vendas, sem assédio moral e sem discriminação! Esse será o último dia de rodada da Campanha Nacional e se a pauta da categoria não for aceita pela Fenaban, os bancários vão parar!

“Não, não e não”. Essa é a resposta dos banqueiros às reivindicações da categoria desde a primeira rodada de negociação, no dia 19 de agosto. Por isso essa é a hora dos bancários mostrarem sua força e pressionarem a Fenaban. No “Dia D”, diga “não” à pressão para vender a qualquer custo. Essa será também uma oportunidade de diálogo com os empregados e a população, para fortalecer o compromisso da categoria em prestar um atendimento de qualidade a todos os clientes, não se submetendo à pressão para expulsar os “mais pobres”.

A luta da categoria vai muito além das questões salariais. À custa do adoecimento dos empregados, os bancos continuam batendo recorde de lucro. Em 2013, os seis maiores bancos que atuam no Brasil (Banco do Brasil, Caixa, Bradesco, Itaú, HSBC e Santander) apresentaram lucro líquido de R$ 56,7 bilhões. Enquanto isso, você, bancário e bancária, é submetido a condições de trabalho cada vez mais precárias. Por isso, a pauta de reivindicações é também por mais contratações, fim do assédio moral, das metas e ampliação do horário de atendimento com respeito à jornada de 6 horas.

Somente com a união da categoria haverá conquista de novos direitos.

Participe!

Imprima
Imprimir