Governo Federal limita número de funcionários no BB

O governo ilegítimo de Temer (PMDB) limitou o quadro permanente de funcionários do Banco do Brasil em 106.659 trabalhadores em maio de 2017, sendo que essa quantidade deverá ser de 106.186 até dezembro de 2018. Porém, o atual número de empregados do banco é de 99.964

Por meio de uma medida publicada em portaria do Ministério do Planejamento o governo ilegítimo de Temer (PMDB) limitou o quadro permanente de funcionários do Banco do Brasil em 106.659 trabalhadores em maio de 2017, sendo que essa quantidade deverá ser de 106.186 até dezembro de 2018. Porém, o atual número de empregados do banco é de 99.964.

“Através da portaria o Governo Federal limitou o número de 106 mil trabalhadores e trabalhadoras, mas atualmente o BB tem 99.964. Essa quantidade abaixo da média estipulada revela que o banco pode aumentar o quadro de funcionários, contratar os concursados e rever os descomissionamentos, que estão gerando precarização nas condições de trabalho e no atendimento aos clientes”, diz a diretora do Sindicato dos Bancários/ES, Goretti Barone.

A justificativa para a atitude do Governo Federal, segundo o secretário de Coordenação e Governança das Estatais do Ministério do Planejamento, Fernando Soares, está no fato de que “as estatais têm que melhorar seus resultados e aumentar sua eficiência. Para isso, o melhor caminho é atacar a folha de pagamento”.

O Banco do Brasil, no 1º trimestre de 2017, obteve um Lucro Líquido Ajustado de R$ 2,5 bilhões, que representou um crescimento de 95,6% em doze meses e 43,9% no trimestre. O retorno sobre o Patrimônio Líquido Médio Anualizado (ROE) ficou em 10,4%, com alta de 4,8 pontos percentuais no período.

Na contramão desses resultados, em 12 meses o BB cortou 9.900 postos de trabalho. Desses, 658 foram no 1º trimestre deste ano. A redução se deve ao Plano Extraordinário de Aposentadoria Incentivada (PEAI), lançado em novembro de 2016 no âmbito da reestruturação imposta pela gestão Cafarelli, sob ordens do governo Temer. No mesmo período, foram fechadas 551 agências.

Por outro lado, segundo dados do próprio banco, a base de clientes aumentou em 1,354 milhão. No 1º trimestre de 2016 cada bancário de agência atendia em média 439 contas correntes, enquanto que neste ano esse número cresceu para 554 contas correntes por trabalhador, aumento de 115 contas em doze meses.

Queixas no Banco Central

Chamado de “ano do atendimento” pela direção do Banco do Brasil, 2017 não começou nada bem para a instituição pública no que diz respeito à satisfação dos clientes. O BB foi o mais reclamado no primeiro trimestre em ranking divulgado pelo Banco Central, com 1.536 reclamações consideradas procedentes, o que resultou no índice 25,84.

“O Banco do Brasil ficava em sexto lugar no ranking de queixas do Banco Central. No primeiro trimestre de 2017 chegou à primeira colocação. Isso se deve à intensificação da precarização do atendimento, causada pelo desmonte da instituição por meio do fechamento de agências, postos de atendimento bancários e redução do quadro de funcionários”, diz Goretti.

Imprima
Imprimir