Greve nacional da educação: protestos acontecem hoje pelo país

Além dos profissionais da educação, estudantes e pais, trabalhadores de diversas categorias apoiam os atos contra o corte de verbas. Em Vitória, o ato sairá às 18h, da UFES.

Esta quarta-feira, 15, é dia de greve nacional da educação. Profissionais da educação, estudantes e pais estarão nas ruas em diversas cidades pelo país em protestos contra a política do governo Bolsonaro de desmonte da educação pública brasileira.

Trabalhadores de diversas categorias, inclusive bancários, também estarão juntos nessa luta, somando forças em defesa da educação pública, contra os cortes de verbas anunciados pelo ministro da educação, Abraham Weintrab, e denunciando o desmonte da Previdência Social.

A paralisação do setor da educação hoje contra o corte de verbas foi incluída no calendário de lutas nacional e é vista como um “esquenta” para a greve geral que está sendo construída pelas centrais sindicais para o dia 14 de junho.

“Cortar recursos da educação é comprometer o futuro do nosso país. Estaremos nas ruas junto com professores e estudantes em defesa da educação pública, contra a reforma da Previdência e mobilizando para a greve geral”, ressalta Carlos Pereira Araújo (Carlão), diretor do Sindibancários/ES e integrante da Intersindical.

Durante os atos, os diretores do sindicato irão colher assinaturas para o abaixo-assinado contra a PEC 06/2019, que representa o fim da Previdência Social com a implantação do sistema de capitalização privada.

Se você também quer uma educação de qualidade e uma aposentadoria digna, participe! Em Vitória, a concentração começa às 16h30 na UFES, campus Goiabeiras e Maruípe e no Ifes, em Jucutuquara. A saída em direção à Assembleia Legislativa será às 18h.

 

Manhã de protestos em Vitória e no interior

Profissionais da educação básica se reúnem na Praça do Papa na manhã desta quarta-feira, 15, dando início aos protestos contra os cortes na educação pública e em defesa da aposentaria.

 

 

UFES e IFES fechados no interior

Em São Mateus, norte do ES, a comunidade acadêmica do Ceunes/Ufes, do Ifes, secundaristas e a Via campesina paralisaram as atividades e fecharam a BR 101 denunciando a política de desmonte da educação pública e da Previdência Social.

Imprima
Imprimir