Grito dos Excluídos reúne movimentos na luta por moradia e mais direitos

Os participantes da 23º edição do Gritos dos Excluídos percorreram as ruas dos bairros de Itararé, Bairro da Penha, Bonfim e Jaburu e foram recebidos pelos moradores desses bairros com manifestação de apoio aos protestos.

Na tarde desta quinta-feira, 7 de setembro, os integrantes de diversos movimentos sociais participaram da  23º edição do Gritos dos Excluídos, e percorreram as ruas dos bairros de Itararé, Bairro da Penha, Bonfim e Jaburu. A caminhada foi um grito dos movimentos por moradia digna e mais direitos.

“Este ano, o Grito dos Excluídos buscou levar em consideração aquilo que é grito nacional: a luta por direitos e moradia. Mas foi importante no grito em Vitória perceber as pautas locais, como o grande número de mulheres assassinadas em nosso estado;  a juventude, especialmente negra e pobre, que esta sendo exterminada, e também a questão da criminalização da pobreza. Não aceitamos nem a perda dos direitos, nem a reforma trabalhista, nem esse governo injusto que defende apenas seus interesses e o do capital”, afirmou um dos organizadores do Grito, padre Manoel David Neto, das paróquias de São Pedro, Muquiçaba e Guarapari.

Os representantes do Sindibancários/ES levaram para as ruas a indignação com relação à retirada dos direitos dos trabalhadores da categoria: “O Sindicato dos Bancários mais uma vez participa do grito. Os movimentos gritam por mais direitos nesse dia em que estado e poder público estão comemorando a independência e querendo fazer com que as trabalhadoras e os trabalhadores paguem essa conta”, afirma o diretor do Sindibancários, Fabricio Coelho.

A campanha em defesa do Banestes Público e Estadual também esteve presente durante a caminha do Grito, que reuniu movimentos sociais, sindicatos, coletivos juvenis, pastorais, professores da rede pública e do ensino superior.

Fotos: Sérgio Cardoso.

Imprima
Imprimir