Guilherme Boulos, da coordenação do MTST, é preso em reintegração de posse

Ação da PM contou com forte aparato policial contra 3 mil pessoas sem-teto que ocupam terreno em São Mateus, São Paulo

Setecentas famílias, o que corresponde a cerca de 3 mil pessoas da ocupação Colonial no bairro São Mateus, zona leste paulistana, resistiram a uma ação de reintegração de posse na manhã desta terça-feira, 17. Durante a ação da Polícia Militar, que utilizou forte aparato repressivo, Guilherme Boulos, da coordenação nacional do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), foi preso e levado para o 49° Distrito Policial (DP).

De acordo com o movimento, a prisão foi arbitrária, pois Boulos atuou a todo o momento na intenção de mediar o conflito.

“Não aceitaremos calados que além de massacrarem o povo da ocupação Colonial, jogando-os nas ruas, ainda querem prender quem tentou o tempo todo e de forma pacífica ajudá-los”, diz o MTST em nota.

Por volta das 11h, Boulos aguardava na recepção da delegacia para prestar depoimento. Primeiro estava sendo ouvido o comandante do Batalhão de Choque responsável pela ação em São Mateus. Ele não foi algemado ou levado para a carceragem. Na avaliação dele, isso se deve ao receio da força policial da reação que isso poderia causar.

Segundo a nota do MTST, entre as 3 mil pessoas que estavam na ocupação havia homens, mulheres, crianças, idosos e deficientes que foram jogados na rua por uma decisão judicial que considerou apenas os interesses do proprietário de um latifúndio urbano que só servira antes das pessoas morarem ali para especulação imobiliária.

O MTST afirma que o movimento procurou alternativas para evitar o despejo, evitando assim um massacre de pessoas pobres que estavam lutando pelo direito constitucional da moradia. Apesar disso, a PM de Alckmin levou a frente uma ação desumana contra as famílias da ocupação Colonial. O MTST destaca que a ocupação Colonial não é do movimento, mas Guilherme Boulos acompanhou o processo desde o início a convite dos representantes da ocupação na tentativa de encontrar um desfecho favorável para as famílias que faziam parte dela.

Com informações do Brasil de Fato

Imprima
Imprimir